Escolha as suas informações

300 euros por quarto. Dudelange cria habitação acessível para jovens
Sociedade 6 2 min. 22.11.2022
Alojamento

300 euros por quarto. Dudelange cria habitação acessível para jovens

Alojamento

300 euros por quarto. Dudelange cria habitação acessível para jovens

Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Sociedade 6 2 min. 22.11.2022
Alojamento

300 euros por quarto. Dudelange cria habitação acessível para jovens

Amélie SCHROEDER
Amélie SCHROEDER
A comuna do sul do Luxemburgo quer combater a crise habitacional e ajudar os jovens a preparar a sua independência.

Na Cidade do Luxemburgo, arrendar um quarto numa casa partilhada por 13 pessoas, pode custar mais de 1.200 euros. É esta a amarga realidade do mercado imobiliário luxemburguês neste momento.

Uma vez que mesmo conceitos de habitação que supostamente são acessíveis aos jovens os colocam numa situação financeira difícil, a comuna de Dudelange decidiu intervir com um novo projeto.


Entre 2013 e 2021, os preços dos imóveis duplicaram. Desde 2019, o Luxemburgo registou aumentos de preços anuais de mais de 10%.
Falta de casas no Luxemburgo. "O pior ainda pode estar para vir"
O Luxemburgo continua a crescer, mas constrói menos habitações. Ao mesmo tempo, os custos da construção estão a aumentar. O domínio político deve agir, apela o economista Michel-Edouard Ruben.

O município do sul quer combater a crise habitacional e ajudar os jovens. Nesse sentido, apresentou recentemente um novo conceito de habitação no centro da cidade. Na Rue du Commerce, por exemplo, uma antiga quinta com caráter histórico foi transformada em habitação acessível para jovens.

Os trabalhos de renovação começaram no outono de 2019. São 380 m2 de espaço de habitação, divididos em dois apartamentos, dez quartos, duas cozinhas e duas casas de banho. Cinco dos quartos são também destinados a refugiados ucranianos, disse o burgomestre Dan Biancalana (LSAP).

Jovens poderão arrendar quarto por 300 euros

O custo total da renovação foi de 2.180.000 euros, dos quais 1.500.000 euros foram concedidos pelo Ministério da Habitação e 130.000 euros pelo Instituto Nacional do Património Construído. O Ministério do Ambiente e o Gabinete Social de Dudelange também contribuíram financeiramente para o projeto.

O edifício classificado foi inaugurado na presença do burgomestre, de Romain Zuang (LSAP), presidente do Gabinete Social, e Henri Kox (déi Gréng), ministro da Habitação e Segurança Interna. No seu discurso, Henri Kox sublinhou a relevância das autoridades públicas para refrear os preços exorbitantes no mercado luxemburguês através de projetos como este.

O ministro Henri Kox, que também viveu num apartamento partilhado durante os seus estudos, também se referiu aos preços exorbitantes cobrados por um quarto atualmente, e disse que não estão de acordo com o que é oferecido.


As casas vão ficar "mais baratas" no Luxemburgo. Mas pelas piores razões
A "bolha imobiliária vai rebentar", refere o dono de uma imobiliária ao Contacto.

O arrendamento deverá custar 300 euros, com despesas, independentemente do tamanho do quarto. O projeto destina-se a jovens que têm um emprego, seja um emprego permanente ou um estágio, e que não conseguem encontrar casa no mercado de habitação tradicional devido aos preços exorbitantes. O alojamento é limitado a um máximo de três anos. O objetivo é permitir que os jovens se estabeleçam de forma independente.

O ministro da Habitação mencionou, ainda, a importância de conservar a estrutura central dos edifícios e de lhes dar uma nova vida. No início de 2023, os jovens trabalhadores já poderão instalar-se na Rue du Commerce.

(Este artigo foi originalmente publicado no Luxemburger Wort e adaptado para o Contacto por Maria Monteiro.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.