Escolha as suas informações

Voto dos emigrantes. Movimento "Também somos portugueses" quer alteração à lei
Portugal 17.01.2021

Voto dos emigrantes. Movimento "Também somos portugueses" quer alteração à lei

Voto dos emigrantes. Movimento "Também somos portugueses" quer alteração à lei

LUSA
Portugal 17.01.2021

Voto dos emigrantes. Movimento "Também somos portugueses" quer alteração à lei

O movimento "Também somos portugueses" apelou hoje ao Governo e aos partidos políticos representados no Parlamento para a necessidade de alterar as leis eleitorais para os emigrantes, defendendo o voto remoto para participar na vida pública portuguesa.

"O movimento 'Também somos portugueses' considera que infelizmente as próximas eleições provarão que o voto remoto será a única forma de permitir que os portugueses no estrangeiro continuem vinculados à vida pública em Portugal, e apela a que os partidos políticos representados na Assembleia a República e o Governo tirem as conclusões e assumam a necessidade das alterações às leis eleitorais que há anos os emigrantes defendem", lê-se num comunicado enviado hoje à comunicação social.

O movimento estima que vá existir uma "elevada abstenção forçada" no seio dos portugueses que vivem no estrangeiro nas próximas eleições presidenciais, porque o voto tem de ser presencial.


Presidenciais. Emigrantes regressados temporariamente a Portugal impedidos de votar no país
Com os confinamentos e o teletrabalho muitos prolongaram as visitas a Portugal, mas a sua morada continua a ser no estrangeiro. Para poderem votar nestas eleições terão de voltar ao país de acolhimento. Emigrantes ouvidos pelo Contacto que se encontram nesta situação criticam as autoridades por não os terem incluído nas exceções criadas para a pandemia.

Estes terão contactado, em novembro passado, todos os partidos políticos representados na Assembleia da República, o Governo e a Comissão Nacional de Eleições (CNE), para tentar uma alteração urgente à atual lei eleitoral que permitisse o voto postal para estas eleições, mas que "infelizmente", foi-lhes dito que tal não seria possível em tempo útil.

"Registámos, no entanto, por parte de várias forças políticas e da própria CNE a abertura para uma revisão das leis que permita o voto postal para eleições futuras. Registámos também a disponibilidade para testar o voto online remoto".


Presidenciais. Consulado de Portugal no Luxemburgo vai ter duas mesas de voto
Os portugueses recenseados no Consulado-Geral de Portugal no Luxemburgo vão poder votar presencialmente nos dias 23 e 24 de janeiro para eleger o próximo Presidente da República de Portugal.

Os portugueses começaram a votar hoje, uma semana antes das presidenciais de 24 de janeiro, no chamado voto antecipado em mobilidade para o qual se inscreveram 246.880 eleitores, um número recorde.

As eleições presidenciais realizam-se em plena epidemia de covid-19 em Portugal em 24 de janeiro, a 10.ª vez que os cidadãos portugueses escolhem o chefe de Estado em democracia, desde 1976. A campanha eleitoral começou no dia 10 e termina em 22 de janeiro.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

“Já não há razão para que as pessoas não participem nas eleições portuguesas"
Votar nas eleições portuguesas vai passar a ser mais simples, também para os portugueses no Luxemburgo. Com as novas mudanças, o recenseamento dos portugueses no estrangeiro vai ser automático, mas não obrigatório. O voto por correspondência vai passar a ser gratuito, mas há mais novidades. As mudanças vão aumentar o número de potenciais votantes, sem que os cidadãos tenham de se deslocar ao consulado.
Visite du secrétaire d’État portugais José Luís Carneiro au Luxembourg, le 30 Septembre 2018. Photo: Chris Karaba