Escolha as suas informações

Vacinação. Todas as pessoas com mais de 80 anos vão ser incluídas na 1.ª fase em Portugal
Portugal 2 min. 28.01.2021 Do nosso arquivo online

Vacinação. Todas as pessoas com mais de 80 anos vão ser incluídas na 1.ª fase em Portugal

Vacinação. Todas as pessoas com mais de 80 anos vão ser incluídas na 1.ª fase em Portugal

Foto: AFP
Portugal 2 min. 28.01.2021 Do nosso arquivo online

Vacinação. Todas as pessoas com mais de 80 anos vão ser incluídas na 1.ª fase em Portugal

Lusa
Lusa
Todas as pessoas com mais de 80 anos de idade vão ser incluídas na primeira fase do plano de vacinação contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o coordenador do plano em Portugal, Francisco Ramos.

O coordenador do plano em Portugal considerou que esta é "provavelmente a mais importante" alteração ao plano de vacinação do país, uma decisão justificada pelo aumento da incidência da doença.

"Aquilo que fica integrado no plano é manter o grupo dos 50 aos 79 anos com as comorbilidades, mas incluir também nesta fase 1 todas as pessoas com mais de 80 anos, independentemente de qualquer comorbilidade ou patologia que tenham", adiantou Francisco Ramos, que falava em Lisboa durante a apresentação da atualização do plano de vacinação.

De acordo com a revisão, está prevista a vacinação ainda no decurso da primeira fase – que se estende até abril - de 670 mil pessoas com 80 ou mais anos. A ‘taskforce’ responsável pelo processo estima que até ao final de março existam já 170 mil pessoas dentro deste grupo com a vacinação completa e outras 170 mil apenas com a primeira toma da vacina."Foi possível perceber neste tempo de pandemia que era importante incluir o grupo dos idosos com mais de 80 anos, em função dos níveis de evolução da pandemia e do nível de severidade atingido nesta altura", reiterou Francisco Ramos.


Portugal. Carta aberta pede vacinação de maiores de 80 anos "antes que se tenha perdido uma boa parte de uma geração"
Carta aberta com vários especialistas quer alteração de plano de vacinação para priorizar maiores de 80 anos "antes que seja demasiado tarde".

Paralelamente, o coordenador explicou a alteração introduzida no plano de vacinação com o reforço das metas definidas pela Comissão Europeia na última semana, que apontou à vacinação de pelo menos 80% das pessoas com mais de 80 anos e os profissionais de saúde contra a covid-19.

"Aquilo que temos garantido são 2.214.000 doses a receber até final de março. Para atingir este objetivo vamos precisar de 1.642.000 doses para vacinar por completo 800 mil pessoas e 520 mil para iniciar a vacinação. É possível atingir este objetivo com as doses que temos contratadas com a Pfizer, a Moderna e na expectativa de que a vacina da AstraZeneca seja aprovada", notou, assumindo que a aprovação possa ocorrer esta sexta-feira pela Agência Europeia do Medicamento (EMA).


Portugal recebe apoio médico da Alemanha e Espanha no combate à covid-19
Médicos militares alemães já estão no País a apurar as maiores necessidades hospitalares. A cada 15 minutos morrem três pessoas em Portugal devido à covid e 157 são infetadas.

Já sobre eventuais casos de pessoas com 80 ou mais anos que estejam acamadas em casa, Francisco Ramos assegurou que "haverá equipas de vacinação ao domicílio", mas salientou que se trata de "um esforço suplementar e que a nível local terão de ser encontradas essas soluções". Em Portugal, morreram 11.305 pessoas dos 668.951 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A vacinação contra a covid-19 iniciou-se há um ano em Portugal, mas as expectativas de vencer o coronavírus com a imunização da população foram-se esbatendo, devido a novas variantes que obrigaram a vacinar mais os portugueses.
A presidente da Comissão Europeia exortou hoje a União Europeia a iniciar "tão cedo quanto possível" uma campanha de vacinação contra a covid-19, a arrancar em simultâneo nos 27 Estados-membros, para assegurar a erradicação do "vírus horrível".
Ursula von der Leyen