Escolha as suas informações

Vacinação em Portugal terá evitado cerca de duas mil mortes
Portugal 2 min. 19.11.2021
Covid-19

Vacinação em Portugal terá evitado cerca de duas mil mortes

Covid-19

Vacinação em Portugal terá evitado cerca de duas mil mortes

Foto: LUSA
Portugal 2 min. 19.11.2021
Covid-19

Vacinação em Portugal terá evitado cerca de duas mil mortes

Lusa
Lusa
O resultado do processo nacional de vacinação contra a covid-19, que atingiu perto de 87% de cobertura da população, terá evitado a morte de quase duas mil pessoas desde maio até agora, defendeu esta sexta-feira o epidemiologista Henrique Barros.

“Desde maio até agora, a adesão dos portugueses à vacina terá poupado à volta de 200 mil infeções, menos 135 mil dias em enfermaria, menos 55 mil dias em unidades de cuidados intensivos e pouparam-se cerca de duas mil vidas”, afirmou o epidemiologista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) na reunião de avaliação sobre a situação da pandemia em Portugal, na sede do Infarmed, em Lisboa.

Numa intervenção intitulada “Entender como a pandemia evoluiu”, o especialista traçou alguns cenários comparativos com o passado e o momento atual da situação epidemiológica da covid-19, tendo concluído ser “extraordinariamente evidente” que o aumento do número de infeções “parte de uma base mais baixa, como um reflexo da vacinação” e com um notório efeito na distribuição da doença pelos grupos etários.


Portugal está na quinta vaga. Peritos recomendam uso de máscara e teletrabalho
DGS disse esta sexta-feira que o país está na "quinta fase pandémica", até ao momento com um impacto na gravidade e na mortalidade inferiores às fases anteriores. Mais 2.371 novos casos de covid-19 e cinco mortes em 24 horas.

“O grupo etário das pessoas com mais de 80 anos, que era um dos mais afetados, é agora completamente ultrapassado pelo grupo dos 5 aos 10 anos, em que ainda não utilizamos a vacinação”, frisou, notando que “a situação portuguesa na hierarquização dos casos e das mortes encontra-se muito melhor do que há um ano, comparativamente com os outros e consigo próprio”.

Apesar dessa evolução, o especialista aconselhou que, perante a situação epidemiológica neste momento, “poderia fazer sentido desaconselhar as reuniões com muitas pessoas, as chamada reuniões sociais com mais de 50 pessoas”, tendo em conta o panorama de infeções que se tem registado nas últimas semanas.

Para Henrique Barros, a vacinação assume-se como a “medida fundamental de proteção”, por isso apelou à vacinação das crianças assim que as autoridades permitam a administração abaixo dos 12 anos, bem como a toma da dose de reforço para a população já elegível. Porém, salientou também a necessidade de manter as medidas não farmacológicas individuais, a vigilância epidemiológica e um adequado planeamento da resposta clínica.

Na análise aos dados destes quase dois anos de covid-19, o epidemiologista do ISPUP referiu ainda que já é possível constatar o “desenho de um quadro inequívoco de apresentação sazonal e que indicia muito bem a transformação endémica” do contacto com o vírus SARS-CoV-2 em solo nacional.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Vacinação
A campanha de vacinação começou na fase mais negra da pandemia do país, em janeiro, com fura filas e demissões polémicas. Hoje Portugal é o segundo país do mundo com maior número de vacinados.“Fico satisfeito por ter contribuído para um processo que foi decisivo para salvar vidas”, declara ao Contacto o vice-almirante Gouveia e Melo, na véspera de deixar a liderança da vacinação em Portugal e com o país prestes atingir os 85% de vacinados. Esta é uma história de sucesso muito elogiado nos quatro cantos do mundo. E que merece ser contada.
O coordenador da task-force para a vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, durante a conferência de imprensa com atualização da informação sobre a vacina covid-19 da Astrazeneca, no Ministério da Saúde, em Lisboa, 18 de março de 2021. RODRIGO ANTUNES/LUSA