Escolha as suas informações

Vão cair as máscaras nas escolas de Portugal? DGS está a atualizar normas
Portugal 4 min. 24.02.2022 Do nosso arquivo online
Coid-19

Vão cair as máscaras nas escolas de Portugal? DGS está a atualizar normas

Coid-19

Vão cair as máscaras nas escolas de Portugal? DGS está a atualizar normas

Foto: dpa
Portugal 4 min. 24.02.2022 Do nosso arquivo online
Coid-19

Vão cair as máscaras nas escolas de Portugal? DGS está a atualizar normas

Redação
Redação
A Direção-Geral da Saúde está a atualizar um conjunto de normas, como o uso de máscara nas escolas e o período de isolamento dos infetados com covid-19, que serão divulgadas nos próximos dias, avançou esta quarta-feira a ministra da Saúde.

“As normas sobre as escolas estão a ser revistas como estão a ser revistas todas as normas, mas cada uma das medidas tem por trás o contexto epidemiológico e aquilo que a Direção-Geral da Saúde está a preparar é um conjunto que seja uma abordagem mais harmoniosa de todas estas regras”, disse a ministra da Saúde, Marta Temido.

A ministra falava aos jornalistas à margem do curso temático "SARS-CoV-2 e Covid-19 – Onde estamos e para onde vamos?" que decorreu em Lisboa.

Apesar do número de casos de covid-19 e do risco de transmissão estarem a diminuir em Portugal, a ministra sublinhou que ainda há alguns fatores que levam “a estar alerta”.

Assim, vincou, o fim de uso obrigatório de máscara nas escolas “é uma possibilidade numa nova fase”, mas, reiterou, é uma decisão de saúde pública.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) projeta que Portugal possa atingir as 20 por mortes por covid-19 por milhão de habitantes a 14 dias no dia 3 de Abril. Este número, que é o referencial usado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC, sigla em inglês), foi indicado na última reunião que se realizou no Infarmed como o ponto em que o país poderia deixar cair todas as restrições de combate à pandemia, nomeadamente o uso de máscara em espaços fechados.   

Segundo a CNN Portugal, essa projeção foi dada por Pedro Pinto Leite, da DGS, e depois confirmada pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas. “É uma projecção, que pode sempre mudar”, referiu.

Esta quarta-feira, a DGS actualizou as normas referentes ao rastreio de contactos e a da política de testagem, dando cumprimento ao que já tinha sido anunciado por António Costa no Conselho de Ministros que se realizou após esse encontro no Infarmed. Os contactos de alto risco deixam de ter de fazer isolamento, sendo esta uma medida só aplicada a quem testa positivo. 

Alterações de dias de isolamento para sintomáticos e assintomáticos

Relativamente a possíveis alterações do período de isolamento para pessoas sintomáticas e assintomáticas, Marta Temido disse que “poderá ser um dos aspetos que venha a ser reduzido”.

“A Direção-Geral da Saúde preferiria fazer essa redução no momento em que avançássemos para outra fase do combate à pandemia”, designadamente quando houver uma redução maior da mortalidade, que é “um indicador” que ainda preocupa.

Portugal continua com uma mortalidade de quase 60 casos por milhão de habitantes a 14 dias, observou Marta Temido, salientando que o indicador que querem estabilizar é de 20 óbitos por milhão de habitantes a 14 dias.

“Até estabilizarmos a incidência e os óbitos, que já estão a cair nos últimos dias, um pouco abaixo dos 30, gostaríamos de ter ainda alguma prudência e aí, eventualmente, avançar para essa redução do número de dias de isolamento dos casos assintomáticos e, eventualmente, depois dos casos sintomáticos”, afirmou.

Marta Temido disse que poderá evoluir-se até para uma fase em que a decisão de isolamento seja em função da declaração de isolamento profilático passada pelo médico, como em qualquer doença.

Novas normas esta semana ou no início da próxima

“É este segmento e esta tendência de evolução que está a ser considerada”, estando a DGS a ultimar a revisão das normas técnicas.

Marta Temido disse esperar que a Direção-Geral da Saúde faça a atualização integral das normas de orientação esta semana ou no início da próxima.

“Eventualmente, há um conjunto de regras que já não se justificarão e que poderão ser simplesmente revogadas, há partes de normas que poderão ter de ser mantidas e, portanto, nós temos que ter essa segurança, esse conhecimento e esse espaço para essa comunicação”, salientou.

Nesse encontro, os especialistas referiram que este limiar poderia ser atingido no prazo de cinco semanas. Segundo a CNN Portugal, esta projecção foi dada por Pedro Pinto Leite, da DGS, e depois confirmada pela directora-geral da Saúde. “É uma projecção, que pode sempre mudar”, referiu Graça Freitas, à margem das Jornadas de Actualização em Doenças Infecciosas do Hospital de Curry Cabral, que decorre esta quinta-feira em Lisboa. Esta quarta-feira, a DGS actualizou as normas referentes ao rastreio de contactos e a da política de testagem, dando cumprimento ao que já tinha sido anunciado por António Costa no Conselho de Ministros que se realizou após esse encontro no Infarmed. Os contactos de alto risco deixam de ter de fazer isolamento, sendo esta uma medida só aplicada a quem testa positivo. A DGS está avaliar, disse esta quarta-feira a ministra da Saúde, passos futuros, nomeadamente o período de isolamento dos infectados e o uso de máscara nas escolas.  

*com agência Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas