Escolha as suas informações

Vídeos. Mulheres acusam polícia de agressão no Carnaval de Lisboa
Portugal 2 min. 24.02.2020

Vídeos. Mulheres acusam polícia de agressão no Carnaval de Lisboa

Vídeos. Mulheres acusam polícia de agressão no Carnaval de Lisboa

Portugal 2 min. 24.02.2020

Vídeos. Mulheres acusam polícia de agressão no Carnaval de Lisboa

Bruno Amaral de Carvalho
Bruno Amaral de Carvalho
Bastonadas contra duas mulheres durante festa de Carnaval em Lisboa provoca denúncia nas redes sociais com dois vídeos que mostram vários agentes da PSP em atitude intimidatória e a disparar para o ar. Ao Contacto, uma das agredidas conta a sua história.

Milhares de pessoas estavam a celebrar o Carnaval no domingo à noite no Cais do Sodré em Lisboa quando a Unidade Especial de Polícia da PSP procedeu a uma intervenção violenta sobre duas mulheres que se encontravam no local.

Circula um vídeo nas redes sociais publicado por uma das mulheres que denunciou a agressão. "Estavam agredindo uma mulher, na frente de um público grande e carnavalesco", denunciou Tai Barroso. Nos comentários ao vídeo, a cidadã brasileira explica que interveio quando viu outra rapariga "que estava a apanhar do nada". Tai revelou ainda que a outra envolvida estava a sangrar depois da intervenção da PSP. 

No vídeo, pode ver-se a polícia numa atitude intimidante a arrastar e a carregar com bastões sobre as duas mulheres e ouve-se um disparo para o ar. Tai Barroso esta manhã fez uma publicação no Facebook: "Hoje eu acordei com a dor e certeza que esse país vai ser engolido pelo fascismo. Não vai ter resistência. Vão assistir a violência de camarote, com medo. A essa menina q eu não sei quem é, as minhas desculpas. Eu não consegui. O estado é covarde. As pessoas são covardes".

Outro vídeo, de Marcos Pinheiro, também no Facebook, mostra a intervenção policial a partir de outro ângulo.

Em declarações ao Contacto, Tai descreve o que viveu: "Estavamos no meio da festa, por volta das 22 horas, e a polícia começou a abrir caminho junto da rua onde está o Boteco da Dri para passar um autocarro turístico". Foi então que a cidadã brasileira que já reside em Portugal há dois anos ouviu os gritos de outra mulher que estava a ser "agredida" pela polícia. Quando foi em socorro, viu que havia cinco agentes em cima desta mulher e que sangrava. Foi um amigo que filmou o acontecimento mas teve de parar porque terá sido agredido também pela PSP, de acordo com Tai. 

"Eu não sei o que ela estava a fazer mas tinha a cabeça aberta e sangrava. Depois, levaram-na detida e imagino o que lhe terão feito. Estou muito preocupada e peço que todos me ajudem a encontrá-la", afirmou a cidadã brasileira que diz ir hoje ao hospital por ter o braço inchado com um hematoma.

Tai Barroso afirma que "não pode ser assim", esta "violência gratuita", e diz que parece um "dejavu" do que viu acontecer no Brasil. "Nós já vimos um André Ventura antes. Também davamos risada quando diziam que o Bolsonaro ia ser presidente. Dantes sentia-me segura aqui mas já não me sinto mais", revela.

O Contacto ligou para o departamento de Relações Públicas da PSP que informou não ter ainda conhecimento do caso.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.