Escolha as suas informações

Segurança Social: imigrantes estão a descontar mais em Portugal
Portugal 31.10.2019

Segurança Social: imigrantes estão a descontar mais em Portugal

Segurança Social: imigrantes estão a descontar mais em Portugal

Foto: Lusa
Portugal 31.10.2019

Segurança Social: imigrantes estão a descontar mais em Portugal

As receitas da Segurança Social provenientes da imigração em Portugal devem chegar aos 750 milhões de euros num momento em que 5,6% dos empregos são ocupados por estrangeiros.

Os imigrantes inscritos na Segurança Social em Portugal são 5,6% do número total de trabalhadores e corresponde ao valor mais elevado da última década, de acordo com o Jornal Económico. Os dados de junho do ano passado especificam que são 193.663 postos de trabalho.

Ainda de acordo com o mesmo jornal, tendo como base o valor médio dos ordenados brutos em Portugal, e partindo do princípio que os imigrantes têm salários 17% inferiores aos nacionais, isto significa que as receitas da Segurança Social com os empregos ocupados por estrangeiros deverão rondar os 750 milhões de euros por ano. Um saldo que, de acordo com vários estudos, é positivo, esclarece João Cerejeira, professor de Economia da Universidade do Minho.

“Vários estudos indicam que o saldo para a segurança social de um imigrante — ou seja, a diferença entre o que contribui e o que recebe — é positivo”, disse ao Jornal Económico o especialista em mercado de trabalho. 

Segundo João Cerejeira, “num contexto de envelhecimento da população ativa portuguesa”, um maior número de imigrantes jovens “é sinónimo de melhoria do nível de sustentabilidade da Segurança Social portuguesa, “baseada num sistema de redistribuição dos ativos para os não ativos”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Imigrantes esperam que promessa de resolver problemas de pensões não fique “em águas de bacalhau”
O secretário de Estado das Comunidades ouviu hoje queixas de imigrantes no Luxemburgo que esperam por uma resposta de Portugal para obterem a reforma, durante o encontro “Diálogos com a Comunidade”. Houve quem se queixasse de estar há dois anos à espera da pensão de sobrevivência, após a morte do marido, ou quem só precise de um ano para completar os 40 anos de descontos e obter a reforma no Luxemburgo, caso de um português que não consegue que lhe reconheçam o tempo de serviço militar.
Contacto, Merl, centre culturel portugais, José Luis CARNEIRO, secretaires d'Etat portugais photo Anouk Antony
Imigrantes desesperam à espera de papéis para a reforma
Esperam anos que a Segurança Social portuguesa envie os documentos necessários para pedirem a reforma no Luxemburgo. Casos kafkianos, que não se limitam aos imigrantes que querem pedir a pensão. Há quem se arrisque a perder o subsídio de desemprego por Portugal não certificar a carreira contributiva a tempo e horas. As histórias de quem desespera sem resposta de Portugal.
Imigrantes: Regressar a Portugal é cada vez mais uma miragem
O “mito do regresso” é cada vez mais uma miragem para a maioria dos imigrantes portugueses da primeira geração, aponta um novo estudo da Universidade do Luxemburgo. Na decisão de ficar no país de acolhimento pesam sobretudo a ligação aos netos que já nasceram no país e o acesso a cuidados de saúde.
O “mito do retorno” é há muito desmentido pela realidade da imigração, mas este é um dos primeiros estudos a constatá-lo no Luxemburgo, defende a investigadora.