Escolha as suas informações

Segundo especialista: Capacidade de integração afasta terrorismo de Portugal
Portugal 3 min. 28.01.2015 Do nosso arquivo online

Segundo especialista: Capacidade de integração afasta terrorismo de Portugal

Mesquita Central de Lisboa

Segundo especialista: Capacidade de integração afasta terrorismo de Portugal

Mesquita Central de Lisboa
Foto: Arq João Paulo Conceição/Creative Commons
Portugal 3 min. 28.01.2015 Do nosso arquivo online

Segundo especialista: Capacidade de integração afasta terrorismo de Portugal

A capacidade de Portugal integrar comunidades, como a islâmica, pode ser um dos factores que tem afastado o país de casos de terrorismo jihadista (radicais islâmicos), defende o especialista em segurança Nelson Lourenço.

A capacidade de Portugal integrar comunidades, como a islâmica, pode ser um dos factores que tem afastado o país de casos de terrorismo jihadista (radicais islâmicos), defende o especialista em segurança Nelson Lourenço.

"Não é propriamente a nossa (pequena) dimensão, ou porque os outros países se esquecem de nós, mas porque temos tido uma certa capacidade de integrar essas comunidades", além de que Portugal, comparado com a Espanha, França ou Reino Unido, tem uma comunidade islâmica mais pequena e que "está muito bem integrada no país", segundo os poucos estudos existentes, disse.

Depois, acrescentou, Portugal, um dos países mais seguros da Europa, é também um dos que "tem dado provas do controlo das suas fronteiras" e apesar de ser "um grande ponto de entrada de pessoas na Europa" é "elogiado como extremamente eficaz no controlo das pessoas que entram".

Nelson Lourenço, professor catedrático da Universidade Nova de Lisboa, presidente do GRESI- Grupo de Reflexão Estratégica de Segurança Interna, falava à Agência Lusa a propósito da reunião desta semana de ministros da Justiça e da Administração Interna da União Europeia, destinada a discutir medidas de combate ao terrorismo.

Lembrando que nos atentados que até agora aconteceram na Europa (o último no início do mês em França) os agressores eram na maioria cidadãos dos países em causa, o responsável defendeu que ao contrário de fechar fronteiras o necessário é "construir uma contra narrativa para integrar os jovens de segundas e terceiras gerações".

"Essa nova narrativa terá de passar pela capacidade que vamos ter de integrar também os líderes dessas comunidades religiosas. Basta ler os jornais, em certas mesquitas de Inglaterra e de França há por vezes discursos que são quase apelos à violência. É preciso integrar essas pessoas, os jovens e os líderes, no quadro dos valores da sociedade democrática e secular em que vivemos, no respeito absoluto da liberdade de opinião de cada pessoas, da livre consciência e da liberdade religiosa que é isso que é o grande património europeu", disse.

Sempre afirmando na entrevista que o acordo de Schengen de livre circulação de pessoas na União Europeia pode ser melhorado, mas que não deve alterar essa livre circulação, Nelson Lourenço considera que o sistema de informação de Schengen permite um "controlo relativamente eficaz de pessoas e bens" e que o controlo nas fronteiras internas pode existir em alguns momentos e está previsto na lei.

Por isso espera que na reunião de ministros não prevaleça "uma ideia populista securitária que algumas forças querem vender", mas sim "um espírito democrático que é o da manutenção dos direitos fundamentais num quadro de segurança que é aquele em que a Europa assenta".

"Creio que aquilo que é fundamental no quadro europeu é a manutenção do ideário de uma sociedade democrática e livre", afirma Nelson Lourenço.

Mas deixa também um aviso: "Não há democracia sem liberdade e não há liberdade sem segurança".


Notícias relacionadas

Em Schengen teme-se que o coronavírus seja o início do fim da Europa
Há 35 anos, os líderes europeus assinaram na pequena aldeia luxemburguesa de Schengen o acordo que estabeleceu a livre circulação de pessoas, bens e serviços no continente. Agora, há bloqueios nas estradas, controlos policiais, gente desesperada para passar de um lado para o outro. Retrato de uma Schengen sem espaço.
França diz que é preciso limitar entrada de imigrantes
O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, defendeu, esta terça-feira, que a União Europeia (UE) deve limitar o número de entrada de migrantes e que o controlo das fronteiras externas é essencial para o futuro do bloco europeu.
Manuel Valls, o primeiro ministro francoês
Paris/Atentados : UE decide reforçar controlo nas fronteiras Schengen
Os países europeus decidiram hoje reforçar imediatamente o controlo de todos os viajantes, incluindo da União Europeia, nas fronteiras externas da área de livre circulação Schengen, na sequência dos atentados de Paris, segundo fontes europeias citadas por agências internacionais.
This photo shows the Swiss customs post in Koblenz, Switzerland, on the Swiss-German border, on December 10, 2008. The EU has given the green light for Switzerland to join the border-free Schengen zone covering 24 countries on the continent. As of December, 12 systematic checks on individuals will be abolished and cooperation will be increased in the fight against cross-border crime. While terrestrial borders will no longer have passport control points, goods traffic will still be subject to regular customs searches.  AFP PHOTO / NICHOLAS RATZENBOECK
Trinta anos de Schengen e de Europa sem fronteiras
O Acordo Schengen, que aboliu algumas fronteiras internas na Europa, foi assinado há 30 anos, no Luxemburgo. Esta manhã foram muitas as personalidades do Grão-Ducado e da Europa que assinalaram a data na pequena localidade do Grão-Ducado.