Escolha as suas informações

Rui Rio recusa "golpe palaciano" de Luís Montenegro

Rui Rio recusa "golpe palaciano" de Luís Montenegro

Foto: Lusa
Portugal 12.01.2019

Rui Rio recusa "golpe palaciano" de Luís Montenegro

Presidente do PSD afasta a ideia de eleições internas e convoca Conselho Nacional extraordinário.

O presidente do PSD, Rui Rio, respondeu a Luís Montenegro com um ataque que incluiu a acusação de irresponsabilidade, a recusa de eleições diretas já e o pedido de marcação de um Conselho Nacional com caráter extraordinário para análise e votação de uma moção de confiança. Em conferência de imprensa no Porto, Rio rejeitou "uma nova disputa interna à porta de eleições", acusando Montenegro de prestar um serviço a António Costa e ao PS".

"Será legítimo que, quem podendo disputar eleições, opte por não o fazer para depois condicionar os calendários do partido à sua própria agenda pessoal? A minha resposta é não. O PSD não é um partido unipessoal, mas grande demais para estar ao sabor de agendas pessoais" e "não pode tornar-se um partido de gente irresponsável", afirmou. 

"Nunca participaria em golpes palacianos ou tentativas de enfraquecimento do PSD", acrescentou. "Não há memória de um dirigente partidário ter lançado tamanha confusão e instabilidade num partido" da democracia portuguesa.  

Para Rio, o PSD "é importante de mais para estar ao sabor de interesses táticos de pessoas ou grupos", quer atuem "mais às claras ou sob o manto de qualquer secretismo". E recorreu a uma citação de Sá Carneiro ao lembrar que "a política sem risco é uma chatice e sem ética é uma vergonha".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Rui Rio convoca Conselho Nacional do PSD
O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou hoje que pediu a convocação de um Conselho Nacional do partido para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.
Rui Rio, presidente do PSD, faz uma declaração em resposta ao desafio de Luís Montenegro para convocar eleições diretas no Partido Social Democrata.
Avenida da Liberdade: A aritmética de Santana
À hora a que esta edição chegar às mãos dos leitores, já Pedro Santana Lopes terá entregue, no Tribunal Constitucional, mais de 7.500 assinaturas que vão legalizar o seu novo partido, o Aliança.