Escolha as suas informações

Rede de empresários portugueses na diáspora já potenciou milhares de milhões de euros em investimento
Portugal 2 min. 29.04.2022 Do nosso arquivo online
Emigração

Rede de empresários portugueses na diáspora já potenciou milhares de milhões de euros em investimento

Imagem de arquivo
Emigração

Rede de empresários portugueses na diáspora já potenciou milhares de milhões de euros em investimento

Imagem de arquivo
Foto: DR
Portugal 2 min. 29.04.2022 Do nosso arquivo online
Emigração

Rede de empresários portugueses na diáspora já potenciou milhares de milhões de euros em investimento

Lusa
Lusa
Dados da Fundação AEP revelam que a Rede Global da Diáspora já tem mais de 7.500 portugueses registados em 155 países, entre os quais o Luxemburgo, e mais de 10.500 empresas abrangidas.

A Rede Global da Diáspora, uma plataforma ‘online’ que junta empresários portugueses de 155 países, já permitiu, desde 2020, a realização de “milhares de milhões de euros em investimentos”, divulgou hoje a Associação Empresarial de Portugal (AEP).

“Nós não conseguimos nunca saber o volume de negócios que é gerado porque esta rede cria relações, cria os contactos e as parcerias acontecem de forma bilateral entre os empresários, compradores, vendedores e investidores, mas já são milhares de milhões de euros de investimentos”, afirmou à agência Lusa o presidente da Fundação AEP, que promove a Rede Global da Diáspora.


O primeiro-ministro, António Costa (C-E), ladeado pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva (C-D), preside à primeira reunião do Conselho de Ministros do XXIII Governo, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 31 de março de 2022.
Governo português apresenta novo programa com medidas para a emigração
O programa foi conhecido esta sexta-feira e contém políticas destinadas aos portugueses residentes no estrangeiro. Pedro Rupio, presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa, revela ao Contacto quais as expectativas para este novo mandato do PS.

Criada em 2020, esta que é a maior rede colaborativa da diáspora portuguesa, em formato digital e semelhante a uma rede social, possibilitou “potenciar de milhares de milhões” de euros, “quer na parte do imobiliário, quer nas tecnologias, quer na parte de materiais de construção, quer à parte do agroalimentar”, explicou Luís Miguel Ribeiro à Lusa.

“Depois, também, em alguns casos, o têxtil, o calçado, metalomecânica, mas sobretudo nestas áreas”, adiantou.

O responsável falava à Lusa à margem de uma ação de promoção da plataforma junto de empresas e cidadãos portugueses em Bruxelas, visando dar a conhecer esta rede social colaborativa, mas também explicar as oportunidades que cria para negócios, investimentos e ‘networking’.

A iniciativa surge após outras realizadas noutros países europeus, como o Luxemburgo, junto das comunidades, parceiros, câmaras de comércio, embaixadas e empresários.


É emigrante e quer criar uma empresa em Portugal? Governo tem novo programa de apoio
O serviço "Empresa Online", através dos Espaços Cidadão existentes na rede consular, passa a estar disponível para portugueses e lusodescendentes que tencionem criar uma empresa em Portugal.

Dados da Fundação AEP revelam que a Rede Global da Diáspora já tem mais de 7.500 portugueses registados em 155 países e mais de 10.500 empresas abrangidas.

E estes registos têm mais representatividade “nos países com comunidades maiores de portugueses, quer aqui na Europa, quer nos Estados Unidos, Canadá, quer no Brasil”, assinalou Luís Miguel Ribeiro.

A Rede Global da Diáspora visa aproximar os portugueses espalhados pela diáspora potenciar a internacionalização de empresas de menor dimensão.

“Nós estamos a viver uma situação atualmente - e este projeto já nasceu antes - que vem trazer uma nova ordem mundial e vem trazer novos desafios para as economias, para as empresas, nomeadamente naquilo que toca às empresas pequenas e médias, porque as maiores têm canais próprios e formas próprias de fazer esse processo de internalização de exportação”, apontou Luís Miguel Ribeiro.

Por isso, o projeto dirige-se, principalmente, às pequenas e médias empresas, que representam mais de 90% do tecido empresarial português.

Isto porque, segundo Luís Miguel Ribeiro, a existência desta rede social colaborativa “diminui o risco desse negócio […] e cria um sistema de informação que permite que o empresário, ao exportar, possa exportar com menor risco e, por outro lado, abre novas oportunidades de parcerias de negócio em termos de preço para essas empresas”.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas