Escolha as suas informações

Áreas dedicadas à covid-19 vão ser adaptadas no plano de saúde português para outono-inverno
Portugal 21.09.2020

Áreas dedicadas à covid-19 vão ser adaptadas no plano de saúde português para outono-inverno

Áreas dedicadas à covid-19 vão ser adaptadas no plano de saúde português para outono-inverno

DR
Portugal 21.09.2020

Áreas dedicadas à covid-19 vão ser adaptadas no plano de saúde português para outono-inverno

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
O plano “terá uma implementação em cascata”, através da intervenção estruturada e articulada a nível regional e local, avançou o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

O governo português divulgou esta segunda-feira, 21 de setembro, o Plano de Saúde para este outono-inverno, que terá a pandemia de covid-19 como pano de fundo.

A informação foi adianta hoje pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa de balanço sobre a dos dados da covid-19, em Portugal.

Apesar desta doença ser um dos maiores desafios, em matéria de saúde, para os próximos meses, sobretudo por coincidir com a época da gripe sazonal, o governante afirmou que o novo plano "visa dar resposta não só à pandemia, mas a todas as necessidades em saúde da população".


Portugal regista mais oito mortes por covid-19 e 623 novos casos de infeção
No total, desde o início da pandemia já foram infetadas com o novo coronavírus 69.200 pessoas, 1 .920 das quais morreram e 45.736 recuperaram.

O documento apresenta uma estratégia para dar resposta à evolução da covid-19 e às necessidades de saúde da população noutras áreas, o que inclui a criação de uma "task-force de resposta não covid, na dependência do Ministério  da Saúde" e "uma aposta na resposta maximizada dos cuidados de saúde primários, com atendimento presencial, não presencial e domiciliário". 

A dispensa de medicamentos, criada no confinamento, em especial para os doentes de risco, evitando a sua deslocação a hospitais e farmácias, também é uma das medidas de "proximidade" contempladas no plano, que “terá uma implementação em cascata”, através da intervenção estruturada e articulada a nível regional e local.

Em relação à pandemia, o plano prevê “um reforço da resposta em saúde pública”, especialmente em situações de surtos. As áreas atualmente dedicadas a covid-19 serão, segundo o secretário de Estado, adaptadas a Áreas Dedicadas aos Doentes Respiratórios e os circuitos de internamento hospitalar adaptados para diferentes fases da resposta à doença.

 Por outro lado, adiantou ainda, a testagem continuará a ser prioritária como "uma das principais ferramentas de combate à pandemia".  António Lacerda Sales sublinhou que, nesta fase, haverá uma estratégia de testes que permita distinguir os casos de Sars-Cov-2 dos de gripe e que poderá passar pela apresentação mais rápida de resultados.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Luxemburgo. Próximas semanas e meses são de alto risco de infeções covid-19
O regresso das férias, o início do ano escolar e a época da gripe constituem períodos que podem gerar uma "potencial vaga" da epidemia, assume o Governo. Mas irá haver mais períodos perigosos, todos seguidos, e propícios a gerar uma nova "vaga" da covid-19, até março de 2021.Em setembro arranca novo programa de testes.