Escolha as suas informações

Profissionais de saúde franceses a viver em Portugal ajudam na linha da frente
Portugal 03.02.2021 Do nosso arquivo online

Profissionais de saúde franceses a viver em Portugal ajudam na linha da frente

Imagem de arquivo

Profissionais de saúde franceses a viver em Portugal ajudam na linha da frente

Imagem de arquivo
Foto: AFP
Portugal 03.02.2021 Do nosso arquivo online

Profissionais de saúde franceses a viver em Portugal ajudam na linha da frente

Os médicos e enfermeiros vão apoiar as equipas da Cruz Vermelha, como voluntários, e serão integrados, já na próxima semana, na Unidade de Retaguarda Hospitalar em Coimbra, em pontos de testagem à covid-19.

Um grupo de médicos e enfermeiros franceses a residir em Portugal vai juntar-se à linha da frente.  São 20 os profissionais de saúde de nacionalidade francesa e a viver no país, que vão integrar, como voluntários, as equipas da Cruz Vermelha Portuguesa que estão no combate à pandemia de covid-19.

"Por iniciativa do Conselheiro da Comunidade Francesa, Laurent Goater, encorajado pela Embaixadora de França em Portugal, Florence Mangin, 20 Especialistas de Saúde, todos de nacionalidade francesa e residentes em Portugal, aderiram, como voluntários, à Cruz Vermelha Portuguesa para integrarem as equipas que estão na “linha da frente” nas respostas de prevenção e controlo da pandemia", refere o comunicado no site do organismo. 

De acordo com a mesma nota os médicos e enfermeiros vão ser integrados já na próxima semana na Unidade de Retaguarda Hospitalar em Coimbra, em pontos de testagem à covid-19 e em outras iniciativas da Cruz Vermelha.     

O grupo de voluntários inclui médicos e enfermeiros de diversas especialidades como cardiologia e reanimação, medicina geral e familiar ou medicina interna, residentes em vários pontos de Portugal continental. 

Esta quarta-feira, um grupo de 26 profissionais de saúde alemães chegou a Lisboa e vai ficar no Hospital da Luz.

Em comunicado, citado pela Lusa, o hospital privado explica que, em reposta ao apelo do Ministério da Saúde, “foi possível realocar doentes, recursos e adaptar espaços, em tempo recorde”, de forma a disponibilizar um núcleo de “mais oito camas de cuidados intensivos” que permitirá à equipa alemã trabalhar num espaço único, “proporcionando-lhes condições de maior eficiência no tratamento de doentes graves”, provenientes de hospitais públicos da região de Lisboa.

A equipa contará, segundo a estrtutura “permanentemente com o apoio de todos os recursos clínicos” daquela unidade, nomeadamente das especialidades médicas de apoio à UCI (unidade de cuidados intensivos), patologia clínica, exames de imagiologia, bem com a garantia das cadeias de abastecimento de consumos clínicos e fármacos.

As camas agora disponibilizadas vão reforçar a capacidade de resposta para tratamento de doentes covid no Hospital da Luz Lisboa, totalizando atualmente 106 camas, das quais 25 destinadas a cuidados intensivos, pode ler-se no comunicado.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas