Escolha as suas informações

Portugal. Voluntárias costuram vestidos para crianças carenciadas no mundo
Portugal 2 min. 16.03.2019

Portugal. Voluntárias costuram vestidos para crianças carenciadas no mundo

Portugal. Voluntárias costuram vestidos para crianças carenciadas no mundo

Foto: Lusa
Portugal 2 min. 16.03.2019

Portugal. Voluntárias costuram vestidos para crianças carenciadas no mundo

Projeto junta grupo de 25 mulheres em Torres Vedras.

Voluntárias de Torres Vedras juntam-se todas as semanas para costurar “com o coração” vestidos e calções para crianças carenciadas em todo o mundo, dando sentido à expressão em suaíli ‘My Moyo’, o nome do ateliê de costura solidária.

Cada vestido confecionado pelas mãos das 25 voluntárias sai com um bolso em forma de coração, a forma que o grupo encontrou de demonstrar a sua solidariedade e identificar os seus donativos após as entregas feitas por voluntários ou organizações não-governamentais (ONG) em diversos países.

O ateliê ‘My Moyo’, que significa “meu coração” em suaíli, foi criado em junho de 2017 por Sofia Figueiredo e é um dos 20 ateliês de costura solidária existentes no país a colaborar com o programa internacional ‘Dress a Girl Around The World’. Além dos vestidos para meninas, estas voluntárias confecionam também calções para os meninos.

Segundo a mentora, “começou com cinco ou seis voluntárias numa fase inicial e agora já são mais de 25”, sem contar com outros os ateliês que estão a colaborar com o projeto, como a Santa Casa da Misericórdia ou um ateliê no Bombarral e com quem doa os tecidos, linhas, botões e até máquinas de costura.

Além dos encontros à segunda-feira no ateliê, grande parte das voluntárias, “durante a semana, vai costurando em casa e traz 12 ou 20 vestidos feitos”, adianta.

A maioria são pessoas sem atividade profissional ou reformadas.

Isabel Lopes, 61 anos, é uma delas. “Há nove anos que deixei de trabalhar, sempre gostei muito de trabalhos manuais e ia ocupando o meu tempo nisso. Na Internet, vi um vídeo do projeto e encontrei aqui a solução para não sentir tantas saudades do meu filho, que foi trabalhar para o estrangeiro”.

“É um trabalho gratificante. Não só me ajuda a ocupar a mente, como também, quando vejo o meu trabalho no corpo daqueles meninos, fico muito feliz”, diz, emocionada.

Esta voluntária já influenciou para a tarefa, que entende como “terapia”, dois familiares, um dos quais a atravessar um problema de saúde.

Celeste Cordeiro, 54 anos, dedica quase todo o seu tempo ao projeto desde maio de 2018. “Como o meu marido está em Angola e os vistos só permitem lá estar dois meses, vou e volto e passo muito tempo sozinha. É uma forma de me sentir útil também”, refere a voluntária que, motivada pela solidariedade, aprendeu a costurar no ateliê.

Além da confeção, já efetuou duas entregas de vestuário a ONG em Angola, que depois o distribuem por crianças, muitas das quais “não têm acesso à escola” e a “única refeição do dia que tomam é assegurada pela ONG”.

“É muito gratificante poder ver a alegria no rosto das crianças quando lhes entregamos os vestidos e os calções. No entanto, é muito emotivo tomar conhecimento das realidades em que vivem”, salienta a voluntária, acrescentando que, em janeiro, aquando da última entrega de donativos, identificou vestidos doados pelo grupo em setembro.

O ateliê já confecionou mais de duas mil peças em quase dois anos, incluindo os 200 vestidos e 100 calções que estão a ser guardados para seguirem em breve para Benguela, em Angola.

O ateliê confeciona e doa também roupas para o Banco do Bebé, assim como toucas e turbantes para doentes oncológicos em fase de tratamento.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.