Escolha as suas informações

Vacina portuguesa termina ensaios não clínicos com “elevada segurança e eficácia”
Portugal 14.07.2021
Portugal

Vacina portuguesa termina ensaios não clínicos com “elevada segurança e eficácia”

Portugal

Vacina portuguesa termina ensaios não clínicos com “elevada segurança e eficácia”

Portugal 14.07.2021
Portugal

Vacina portuguesa termina ensaios não clínicos com “elevada segurança e eficácia”

Lusa
Lusa
A biotecnológica portuguesa Immunethep anunciou hoje que os ensaios não clínicos da sua vacina contra o coronavírus já terminaram e demonstraram “uma elevada segurança e eficácia” numa infeção letal por SARS-CoV-2.

Em comunicado, a empresa sediada em Cantanhede, no distrito de Coimbra, refere que nos ensaios não clínicos foram usados como modelo animal os ratinhos transgénicos k18-hACE2 que, infetados com o coronavírus, desenvolvem uma doença semelhante aos humanos.

Citado no documento, o cofundador e diretor científico da Immunethep afirma que, “através destes ensaios não clínicos e da taxa de sobrevivência de 100% observada, foi possível confirmar a eficácia da vacina em infeções letais por SARS-CoV-2”.


Equipa Immunethep
Vacina portuguesa pode ser aprovada no próximo ano. "A prioridade é vacinar em Portugal"
Portugal também está na corrida às vacinas. Numa altura em que há atrasos na entrega de vacinas e atrasos dos planos de vacinação, uma empresa do norte está confiante que o país terá vacina própria aprovada no início do próximo ano.

A biotecnológica portuguesa sediada em Cantanhede, Portugal, estava a realizar ensaios pré-clínicos da sua vacina SIlba (SARS-CoV-2 Inactivated for Lung B and T cell Activation), há vários meses.

“Após a infeção com um inóculo letal do vírus verificamos que, comparativamente com ratinhos controlo (que não sobreviveram), os animais vacinados tinham uma sobrevivência de 100% nos animais vacinados com a vacina SIlba, observável logo na primeira semana após a infeção, além disso, não demonstraram quaisquer efeitos adversos após a vacinação”, lê-se na nota.

Desde a sua fundação, em 2014, que a Immunethep se tem dedicado ao desenvolvimento de imunoterapias, principalmente contra infeções bacterianas multirresistentes, contando atualmente com 10 colaboradores.

“A realização deste projeto em Portugal permite o desenvolvimento de competências únicas à escala global no desenvolvimento de vacinas e outros produtos biológicos”, conclui o cofundador e diretor executivo da Immunethep, Bruno Santos.

Este responsável sublinha ainda que o rápido apoio por parte das entidades governamentais “é essencial para que possamos dar continuidade aos ensaios clínicos da vacina, a tempo de contribuir para a resolução da pandemia da covid-19”.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.