Escolha as suas informações

Portugal. Utentes podem escolher ser vacinados em qualquer centro do país
Portugal 27.08.2021
Pandemia

Portugal. Utentes podem escolher ser vacinados em qualquer centro do país

Imagem de arquivo
Pandemia

Portugal. Utentes podem escolher ser vacinados em qualquer centro do país

Imagem de arquivo
Cincinnati Children’s
Portugal 27.08.2021
Pandemia

Portugal. Utentes podem escolher ser vacinados em qualquer centro do país

Lusa
Lusa
Passa também a ser possível escolher o centro de vacinação para a toma da segunda dose da vacina contra a covid-19, mas essa opção tem de ser feita logo no dia em que receber a primeira dose da vacina.

As pessoas que pretendam vacinar-se contra a covid-19 podem, a partir de hoje, fazê-lo em qualquer centro de vacinação de Portugal continental desde que obtenham uma senha digital da modalidade “Casa Aberta”, anunciou a ‘task-force’.

“A partir de hoje, dia 27 de agosto, os utentes poderão ser vacinados contra a covid-19 em qualquer centro de vacinação de Portugal Continental à sua escolha, bastando para isso recorrer ao sistema de senha digital da modalidade “Casa Aberta””, refere um comunicado da ‘task-force’ responsável pelo processo de vacinação.

Além desta novidade, passa também a ser possível escolher o centro de vacinação para a toma da segunda dose da vacina contra a covid-19, mas essa opção tem de ser feita logo no dia em que receber a primeira dose da vacina.

Até agora, a vacinação sem marcação só era possível no centro de vacinação do concelho de residência e a toma da segunda dose teria de ser no mesmo centro em que tivesse sido administrada a primeira.

“Também a partir da mesma data, podem os utentes, independentemente da respetiva situação no processo de auto agendamento, apresentar-se em qualquer centro de vacinação”, acrescenta.

Segundo a ‘task-force’, as alterações surgem na sequência daquilo que consideram ter sido o “decorrer muito positivo do processo de vacinação” e a maior disponibilidade dos centros de vacinação.

“Uma vez que grande parte da população portuguesa elegível já se encontra vacinada, há uma maior disponibilidade nos vários centros de vacinação abertos ao momento”, justifica.

Os dados nacionais mais recentes indicam que Portugal tem já 72% da população com a vacinação completa e 80% com pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19.

Nesta fase, a ‘task-force’ reforça o apelo para que te todos os utentes elegíveis sejam vacinados “para sua proteção e da restante população, aproveitando as estruturas ainda implementadas”.

A covid-19 provocou pelo menos 4.472.486 mortes em todo o mundo, entre mais de 214,5 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A vacinação contra a covid-19 iniciou-se há um ano em Portugal, mas as expectativas de vencer o coronavírus com a imunização da população foram-se esbatendo, devido a novas variantes que obrigaram a vacinar mais os portugueses.
A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com dados oficiais hoje divulgados.
Vacinação
A campanha de vacinação começou na fase mais negra da pandemia do país, em janeiro, com fura filas e demissões polémicas. Hoje Portugal é o segundo país do mundo com maior número de vacinados.“Fico satisfeito por ter contribuído para um processo que foi decisivo para salvar vidas”, declara ao Contacto o vice-almirante Gouveia e Melo, na véspera de deixar a liderança da vacinação em Portugal e com o país prestes atingir os 85% de vacinados. Esta é uma história de sucesso muito elogiado nos quatro cantos do mundo. E que merece ser contada.
O coordenador da task-force para a vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, durante a conferência de imprensa com atualização da informação sobre a vacina covid-19 da Astrazeneca, no Ministério da Saúde, em Lisboa, 18 de março de 2021. RODRIGO ANTUNES/LUSA