Escolha as suas informações

Portugal. Três arguidos condenados a pena suspensa pela morte de dois recrutas dos Comandos
Portugal 10.01.2022
Justiça

Portugal. Três arguidos condenados a pena suspensa pela morte de dois recrutas dos Comandos

Imagem de arquivo
Justiça

Portugal. Três arguidos condenados a pena suspensa pela morte de dois recrutas dos Comandos

Imagem de arquivo
Foto: LUSA
Portugal 10.01.2022
Justiça

Portugal. Três arguidos condenados a pena suspensa pela morte de dois recrutas dos Comandos

Lusa
Lusa
Dylan da Silva e Hugo Abreu morreram em 2016, com 20 anos. Na mesma altura, outros instruendos dos Comandos também sofreram lesões graves e tiveram de ser internados no decurso da “prova zero”. Os restantes 14 arguidos acusados no processo foram todos absolvidos.

O instrutor dos Comandos Ricardo Rodrigues foi condenado a três anos de prisão com pena suspensa, segundo o acórdão hoje lido no Tribunal Criminal de Lisboa relativo à morte dos recrutas Dylan da Silva e Hugo Abreu, em 2016.

O tribunal condenou ainda Pedro Fernandes a dois anos e três meses de prisão e Lenate Inácio a dois anos, ambos com pena suspensa.


Mortes nos Comandos. Governo português suspende negociações com as famílias
O Ministério da Justiça deu ordem para suspender a negociação das indeminizações e remeteu a decisão para o tribunal. Dylan da Silva e Hugo Abreu morreram em 2016.

Nas alegações finais do julgamento, em 07 de maio de 2021, a procuradora Isabel Lima pediu a condenação de cinco dos 19 arguidos a penas de prisão entre dois e 10 anos.

Um dos cinco arguidos visados era, precisamente, Ricardo Rodrigues, por considerar que cometeu abuso de autoridade com ofensa à integridade física, com perigo de vida, pedindo ao tribunal que este militar fosse punido com pena de prisão até 10 anos.

Quanto ao diretor da "prova zero", o tenente-coronel Mário Maia foi absolvido, depois de o Ministério Público (MP) ter pedido a sua condenação a uma pena de dois anos de prisão (suspensa por igual período).

O mesmo sucedeu com o médico Miguel Domingues, acusado de abuso de autoridade com ofensa à integridade física, que foi absolvido quando a procuradora tinha pedido uma condenação a cinco anos de prisão, passível de ser suspensa na execução.


Morreu segundo militar dos comandos
O segundo militar dos comandos que estava internado no hospital em estado muito grave morreu hoje, depois de problemas ocorridos durante o 127.º curso de comandos do exército, disse hoje o ministro da Defesa.

Já os restantes 14 arguidos do processo foram todos absolvidos.

No final da leitura do acórdão, o MP pediu a prorrogação do prazo para recurso de 30 para 60 dias, invocando a excecional complexidade do processo.

Dylan da Silva e Hugo Abreu, à data dos factos com 20 anos, morreram e outros instruendos sofreram lesões graves e tiveram de ser internados no decurso da “prova zero”.

Oito oficiais, oito sargentos e três praças, todos dos Comandos, a maioria instrutores, foram acusados de abuso de autoridade por ofensa à integridade física. Segundo a acusação, os arguidos atuaram com “manifesto desprezo pelas consequências gravosas que provocaram nos ofendidos”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas