Escolha as suas informações

Portugal regista mais 16 mortes e 223 infetados esta terça-feira
Portugal 3 min. 19.05.2020

Portugal regista mais 16 mortes e 223 infetados esta terça-feira

Portugal regista mais 16 mortes e 223 infetados esta terça-feira

Foto: AFP
Portugal 3 min. 19.05.2020

Portugal regista mais 16 mortes e 223 infetados esta terça-feira

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Números subiram ligeiramente nas últimas 24 horas, mas dentro dos padrões expectáveis pelas autoridades de saúde.

Portugal apresentou esta terça-feira, 19 de abril, um ligeiro aumento do número de óbitos e infetados diários. Nas últimas 24 horas foram registadas mais 16 mortes e 223 casos positivos de covid-19. 

Até ao momento, e desde que foram conhecidos os primeiros casos de coronavírus no país, em março, já morreram 1247 pessoas e  29.432 infetados. Há atualmente 2349 a aguardar análise laboratorial e 25.487 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Esta terça-feira registou-se também mais um caso recuperado, elevando para  6.431 o total. 

O número de internamentos aumentou ligeiramente (mais um em relação a ontem, num total de 629) e houve uma descida nos cuidados intensivos (menos quatro que ontem, o que perfaz um total de 101 casos).

Além do boletim epidemiológico diário, a Direção-Geral da Saúde emitiu esta terça-feira uma série de cuidados aos recém-nascidos nas maternidades.


Portugal com recorde de recuperados. Mais de 1700 nas últimas 24 horas
País contabilizou mais 13 óbitos por covid-19 e 173 infetados esta segunda-feira, 18 de maio. Mas número diário de recuperados é o maior até à data.

De acordo com o documento, o recém-nascido de uma mãe infetada com o novo coronavírus deve ser testado e é recomendado que o teste seja feito nas primeiras 24 horas após o nascimento. 

As normas determinam também que quando a mãe é um caso confirmado ou suspeito de SARS-CoV-2, o parto deve ocorrer num bloco de partos dedicado a casos suspeitos ou confirmados de covid-19 e só deverão estar presentes os elementos estritamente necessários, podendo excluir-se a presença de acompanhantes, o que, afirmou Graça Freitas em conferência de imprensa, recentemente, caberá à instituição hospitalar em causa decidir.

A orientação da DGS, divulgada hoje, estabelece igualmente os procedimentos a adotar caso o recém-nascido de mãe com covid-19 tenha um teste positivo ou negativo. Segundo o documento, se estiver clinicamente estável e assintomático, o bebé poderá ter alta acompanhando a mãe, caso esta também tenha alta, ou ficar a cargo de outro cuidador, que deverá estar saudável. 

A decisão do contacto pele a pele e alojamento após o parto deve ser tomada "caso a caso", numa  consulta "partilhada entre a mãe e a equipa dos profissionais de saúde". Aqui, diz a DGS, deve ser ponderada "a condição clínica da mãe e do recém- nascido, o desejo de amamentar, os recursos existentes para separar o recém-nascido e as condições existentes para um alojamento conjunto em segurança”. 


Covid-19. Especialistas emitem recomendações para grávidas
Grávidas devem evitar dirigir-se aos centros hospitalares, exceto se estritamente necessário

As autoridades alertam que algumas mães positivas poderão não querer assumir o risco potencial de transmissão horizontal de SARS-CoV-2 com o contacto pele a pele após o nascimento devendo a sua decisão ser respeitada. 

“Se a mãe, devidamente esclarecida, pretender contacto pele-a-pele, deve cumprir higiene rigorosa das mãos, mamas e tronco e utilizar máscara cirúrgica”, refere o documento. 

Amamentação

Depois de muitas dúvidas e algumas diretrizes divergentes das orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a DGS deixa também recomedações relativas à amamentação, por mães que tenham sido infetadas pelo novo coronavírus.

Nesses casos, se quiserem amamentar podem fazê-lo, com a utilização de máscara, após higiene cuidada das mãos e das mamas. 

Em alternativa, se a mãe não estiver clinicamente capaz de amamentar ou se foi definido clinicamente o seu afastamento temporário do bebé, poderá recorrer à extração mecânica do leite e este ser administrado por um cuidador saudável. 

Em todo o caso, as recomendações devem ser sempre adaptadas à avaliação clínica de cada caso.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas