Escolha as suas informações

Portugal quer atrair mais estrangeiros em teletrabalho
Portugal 05.08.2022
Nómadas digitais

Portugal quer atrair mais estrangeiros em teletrabalho

Nómadas digitais

Portugal quer atrair mais estrangeiros em teletrabalho

Unsplash
Portugal 05.08.2022
Nómadas digitais

Portugal quer atrair mais estrangeiros em teletrabalho

AFP
AFP
A nova lei de imigração inclui um visto temporário de 120 dias - que pode ser prorrogado por mais 60 - para estrangeiros à procura de emprego.

Confrontado com uma escassez de mão-de-obra no turismo e na construção, Portugal alterou a lei da imigração para facilitar a imigração e, em particular, o acolhimento de "nómadas digitais" (pessoas que vivem e trabalham a viajar), de acordo com o texto promulgado pelo Presidente da República. 

A nova lei de imigração, aprovada pelo Parlamento em julho, inclui um visto temporário de 120 dias - que pode ser prorrogado por mais 60 - para estrangeiros à procura de emprego. Deve também facilitar as formalidades de vistos para os "nómadas digitais". 

O texto foi aprovado a 21 de Julho com os votos do Partido Socialista e da oposição de esquerda. O Partido Social Democrata (PSD) absteve-se e o Chega não participou na votação. 

"Portugal precisa de imigrantes" pela "sua demografia, a sua economia e a sua cultura", explicou Ana Catarina Mendes, ministra dos Assuntos Parlamentares, citada pela AFP. Governo espera atrair mais 50 mil trabalhadores.

Esta simplificação de procedimentos também tem um acordo entre a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) destinado a facilitar a circulação de trabalhadores e estudantes entre os estados membros, incluindo o Brasil e as antigas colónias portuguesas em África. 


Portugal precisa de 45 a 50 mil trabalhadores no setor do turismo
"Estamos a viver vários desafios e um deles tem a ver, justamente, com a falta de capital humano", referiu a secretária de Estado do Turismo portuguesa.

A alteração da lei da imigração deverá beneficiar sobretudo o setor do turismo, um dos mais afetados pela escassez de mão-de-obra, tal como noutros países europeus como o Luxemburgo. O turismo precisaria atualmente de cerca de 50.000 empregados extra, disse na terça-feira a Secretária do Turismo, Rita Marques. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.