Escolha as suas informações

Portugal. Polícia investiga ameaças de morte de neonazis contra deputados e ativistas
Portugal 2 min. 13.08.2020

Portugal. Polícia investiga ameaças de morte de neonazis contra deputados e ativistas

Material apreendido a skinheads pela PJ num processo de agressâo.

Portugal. Polícia investiga ameaças de morte de neonazis contra deputados e ativistas

Material apreendido a skinheads pela PJ num processo de agressâo.
Foto: DR
Portugal 2 min. 13.08.2020

Portugal. Polícia investiga ameaças de morte de neonazis contra deputados e ativistas

Redação
Redação
Nas mensagens de ameaça pode-se ler que “medidas serão tomadas contra estes dirigentes e os seus familiares, de forma a garantir a segurança do povo português”.

Um grupo de dez pessoas recebeu uma ameaça por email a intimá-las a abandonar o “território nacional” em 48 horas e a rescindir “das suas funções políticas”. Entre elas estão as deputadas Beatriz Gomes Dias, Mariana Mortágua (do Bloco de Esquerda) e Joacine Katar Moreira (deputada não inscrita); Mamadou Ba, dirigente do SOS Racismo; Danilo Moreira, sindicalista dos trabalhadores de call centers; Jonathan Costa e Rita Osório, da frente unitária antifascista; Vasco Santos, do Movimento Alternativa Socialista; e Melissa Rodrigues, do Núcleo Anti-racista do Porto.

No email que foi enviado na noite desta terça-feira, os autores que se identificam como Nova Ordem de Avis-Resistência Nacional, os neonazis extendem a ameaças às famílias dos dez visados pela mensagem, dizendo que, se o prazo for “ultrapassado, medidas serão tomadas contra estes dirigentes e os seus familiares, de forma a garantir a segurança do povo português”: “O mês de agosto será mês da luta contra os traidores da nação e seus apoiantes. ” 

Recorde-se que a extrema-direita portuguesa tem nos últimos tempos tentado ultrapassar as suas guerras de grupelhos, em grande parte incentivada pela entrada do Chega na Assembleia da República. Já houve dois encontros, um no Porto e outro em Lisboa, com o objetivo explícito de se ultrapassarem as divergências – do segundo terá resultado a auto-denominada milícia Nova Ordem de Avis.   

Fontes da Polícia Judiciária (PJ), confirmaram ao diário Público a gravidade das ameaças, e estão atentas a aquilo que consideram ser “uma escalada” desse tipo de grupos, para criar uma guerra contra negros, imigrantes e ciganos e veicular “a supremacia branca”. Encaram estas ameaças, tal como a manifestação tipo Klu Klux Klan à frente da sede do SOS Racismo, como um “salto de confrontação, incluindo a órgãos de soberania”. As ameaças a dirigentes antifascistas e anti-racistas têm sido constantes nos últimos meses.

Bloco faz queixa ao Ministério Público

As deputadas do Bloco de Esquerda Beatriz Dias e Mariana Mortágua vão apresentar queixa ao Ministério Público (MP) na sequência de ameaças recebidas em ‘e-mail’ dirigido à associação SOS Racismo, confirmou à Lusa fonte do partido.

“O Bloco deu imediatamente conhecimento [do email] à PJ [Polícia Judiciária], as duas deputadas do Bloco irão apresentar queixa ao Ministério Público”, disse à Lusa fonte oficial do BE.

O dirigente do SOS Racismo Mamadou Ba esteve esta quarta-feira a prestar declarações na Polícia Judiciária (PJ).

A notícia foi avançada pela RTP e confirmada pela Lusa junto de fonte policial.

Em declarações à RTP, junto à sede da PJ, em Lisboa, Mamadou Ba disse que ele próprio e outras pessoas receberam um ‘email’ na terça-feira a dar um prazo de 48 horas para abandonarem o país, senão corriam risco de vida.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas