Escolha as suas informações

Portugal é "porta de trânsito" de grandes quantidades de cocaína vinda da América Latina
Portugal 3 min. 26.11.2019 Do nosso arquivo online

Portugal é "porta de trânsito" de grandes quantidades de cocaína vinda da América Latina

Portugal é "porta de trânsito" de grandes quantidades de cocaína vinda da América Latina

Foto: Lusa
Portugal 3 min. 26.11.2019 Do nosso arquivo online

Portugal é "porta de trânsito" de grandes quantidades de cocaína vinda da América Latina

O diretor da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da PJ alertou hoje que Portugal "continua a ser uma porta de trânsito de quantidades significativas de cocaína produzida na América Latina", mercê da posição geográfica.

Artur Vaz falava aos jornalistas à margem da sessão de abertura do Seminário sobre Tráfico de Estupefacientes Transfronteiriços – Projeto Caravela, que decorre na sede da Polícia Judiciária (PJ), em Lisboa, com a presença da Procuradora-geral da República, Lucília Gago, do diretor nacional da PJ, Luís Neves, e do diretor do departamento de combate à droga da Polícia Federal do Brasil, Elvis Secco, entre outros.

Segundo Artur Vaz, Portugal, em virtude da posição geográfica e da existência de "especiais relações" com países da América Latina, designadamente o Brasil, leva a que as organizações criminosas internacionais "parasitem muitas das estruturas de transporte" de grandes quantidades de cocaína entre os dois continentes através das fronteiras marítima e aérea portuguesas.

Confrontado com o facto de o Brasil ser um importante ponto de passagem de muita da cocaína que transita por Portugal, para chegar a outros países europeus, Elvis Secco observou que o Brasil tem mais de 16 mil quilómetros de fronteira com os três países produtores de cocaína - Bolívia, Peru e Colômbia -, fazendo ainda fronteira com o Paraguai, que é hoje o principal produtor de marijuana/maconha.

"A nossa realidade é muito complicada. Há quantidades absurdas de cocaína produzida nesses países. Estamos a falar de milhares de toneladas. Grande parte, 50% a 60%, passa por território brasileiro" com destino à Europa e à África do Sul.

O diretor da Polícia Federal brasileira referiu que a cocaína encaminhada por via marítima para a Europa e para a África do Sul traz lucros enormes às organizações criminosas, em resultado da diferença "absurda" de preço entre um quilograma de cocaína num país produtor e num país da Europa.

Para o diretor nacional da PJ, Luís Neves, o tráfico de droga (nomeadamente cocaína) e subsequente consumo é "preocupante a vários níveis", não só enquanto atividade criminosa, mas também "preocupante pelos lucros que gera" e pela forma como "distorce a economia" e fomenta e facilita outros crimes, incluindo o branqueamento de capitais e a corrupção do aparelho e estruturas do Estado.

Por outro lado - salientou - o tráfico e consumo de cocaína e de outras drogas cria um "problema de saúde pública", ao mesmo tempo que "consome aos Estados parte substancial dos seus orçamentos".

A utilização dos lucros do narcotráfico no apoio financeiro e logístico do terrorismo foi outro dos aspetos referidos pelo diretor nacional da PJ.

Luís Neves apontou o oceano Atlântico e África como zonas privilegiadas de transporte e trânsito da cocaína traficada pelos grandes narcotraficantes e assinalou a importância da cooperação policial direta com o Brasil e com outras instâncias internacionais (Europol, Interpol, MAOC) num combate que tem que ser feito de "forma global".

Na sua intervenção na cerimónia, Lucília Gago, vincou que o `modus operandi" do narcotráfico internacional obriga a que "existam uma partilha de informações entre os países envolvidos" de forma "precoce, rápida, oportuna e eficaz", apontando ainda para o perigo do tráfico de droga poder financiar o terrorismo.

O seminário realiza-se numa altura em que as polícias de Portugal e de Espanha fizeram recentemente importantes apreensões de cocaína em solo português e em águas da Galiza, respetivamente.

A uma milha ao largo do porto de Aldán, Galiza, as autoridades espanholas estavam hoje de manhã a retirar 3.000 quilogramas de cocaína a bordo de um submarino.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Brasil. Apreendidas 28 toneladas de marijuana
A Polícia Federal brasileira apreendeu pelo menos 28 toneladas de marijuana, no estado do Mato Grosso do Sul, naquela que as autoridades classificaram como "a maior apreensão de droga" de sempre no Brasil.