Escolha as suas informações

Portugal. Detido mais do dobro de incendiários do que em 2021
Portugal 28.09.2022
Fogos

Portugal. Detido mais do dobro de incendiários do que em 2021

Fogos

Portugal. Detido mais do dobro de incendiários do que em 2021

Foto: LUSA/Arquivo
Portugal 28.09.2022
Fogos

Portugal. Detido mais do dobro de incendiários do que em 2021

Lusa
Lusa
A informação foi divulgada esta quarta-feira pelo ministro da Administração Interna.

A Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia Judiciária (PJ) detiveram este ano 151 pessoas pelo crime de incêndio florestal, mais do dobro do que em 2021, revelou esta quarta-feira o ministro da Administração Interna.


Portugal. Um quarto dos incêndios deste ano deveram-se a fogo posto
Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), é a segunda causa mais comum depois das queimas e queimadas.

Numa audição conjunta nas comissões parlamentares de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e de Agricultura e Pescas sobre os incêndios que deflagraram durante este ano, José Luís Carneiro precisou que a GNR deteve 70 pessoas pelo crime de incêndio florestal e a PJ 81.

“Um número que mais do que duplicou em relação a 2021”, disse.

Ministro fez balanço positivo da atuação das autoridades

O ministro indicou também que até esta semana foram registadas 10.923 situações de incumprimento, o que deu lugar a mais de 2.000 processos de contraordenações.


A maioria das pessoas arguidas e condenadas por incêndio eram homens (91%), situando-se a média de idades nos 44 anos.
Portugal. Mais de 50 pessoas estão na prisão pelo crime de incêndio
A maioria das pessoas arguidas e condenadas por incêndio eram homens (91%), situando-se a média de idades nos 44 anos.

“Do ponto de vista da sensibilização, da fiscalização e do exercício da autoridade da administração interna foi feito aquilo que compete”, afirmou, em resposta aos deputados sobre um balanço da atividade das forças policiais na prevenção dos incêndios.

O deputado do Chega Pedro Frazão apelidou os incendiários de “terroristas domésticos” e questionou o ministro sobre quando é que Portugal vai ter penas “mais graves” para quem comete este tipo de crime, considerando que devida ficar na “cadeia durante as alturas do fogo”.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.