Escolha as suas informações

Portugal. Ciência e comunicação sobre covid-19 evitaram "devastação equivalente" à da pneumónica
Portugal 5 min. 11.03.2022
Covid-19

Portugal. Ciência e comunicação sobre covid-19 evitaram "devastação equivalente" à da pneumónica

Covid-19

Portugal. Ciência e comunicação sobre covid-19 evitaram "devastação equivalente" à da pneumónica

Foto: Lusa
Portugal 5 min. 11.03.2022
Covid-19

Portugal. Ciência e comunicação sobre covid-19 evitaram "devastação equivalente" à da pneumónica

Lusa
Lusa
A 11 de março de 2020 a Organização Mundial da Saúde declarava o vírus SARS-CoV-2 como pandemia. No dia em que assinalam os seus dois anos, especialistas portugueses comparam o que mudou no combate às duas pandemias mais recentes que o país atravessou.

Portugal enfrentou duas pandemias em pouco mais de um século, mas os avanços da ciência e a comunicação evitaram que o país passasse agora por uma “devastação equivalente” à provocada pela gripe pneumónica em 1918-1919.

“Não é exagero dizer que sem a ciência e a comunicação do mundo moderno teríamos enfrentado a devastação equivalente a uma nova gripe pneumónica”, disse à Lusa o investigador Miguel Castanho, no dia em que se assinala os dois anos que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a covid-19 como pandemia.

Numa comparação entre as duas pandemias, o professor catedrático da Faculdade de Medicina de Lisboa recordou que este coronavírus começou por matar 10% dos doentes idosos, o que permitiria antever uma “expectativa de morte de 2% da população, caso o SARS-CoV-2 não tivesse sido combatido com tenacidade desde o início”.

“Estima-se que, entre 1918 e 1919, o efeito devastador da gripe pneumónica tenha sido desta ordem”, avançou o especialista, considerando que as semelhanças no combate às duas pandemias se ficam pela adoção do distanciamento social, dos confinamentos e das máscaras, assim como pelo surgimento de movimentos de resistência a essas medidas.


a
Da peste negra ao coronavírus, passando pela gripe espanhola
O governo chinês introduziu o uso de uma aplicação para telemóvel que indica a ficha de quarentena: verde para quem pode sair às ruas, amarelo para quem deve ficar isolado por uma semana e, vermelho, para as pessoas que têm de ficar duas semanas isoladas.

“Em 1918, sabia-se que se tratava de uma doença infetocontagiosa, mas nem se sabia bem se era causada por uma bactéria ou por outro agente”, lembrou Miguel Castanho, ao recordar que a descoberta do microscópio eletrónico, que permitiu ampliação suficiente para visualizar os vírus, aconteceu apenas em 1931.

Outro ponto diferenciador em relação à atual pandemia, tem a ver com a velocidade de informação que, no caso da pneumónica, espalhava-se de uma forma “mais lenta do que o vírus”.

“Em 1918-1919, o vírus alastrou rapidamente, apanhou quase todos os países desprevenidos, muitos deles saídos de uma guerra mundial, infetou a população mundial e extinguiu-se quando os sobreviventes já estavam imunizados naturalmente”, explicou o investigador do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Já com o SARS-CoV-2 “tudo tem sido diferente”, notou, uma vez que o poder da ciência e das tecnologias de comunicação permitiu iniciar o estudo do vírus assim que surgiu, alertar rapidamente outros países, difundir o conhecimento, começar a preparar vacinas e medicamentos, fabricar máscaras eficazes em larga escala, restringir a mobilidade de pessoas e alertar populações.

“O impacto da covid-19 tem sido grande, mas minúsculo face ao que teríamos tido se ainda estivéssemos em 1918”, sublinhou.

Sobre o facto de a pandemia de 1918-1919 ter durado cerca dois anos, o mesmo tempo que a covid-19 já tem, Miguel Castanho adiantou que a gripe pneumónica demorou o “tempo ditado pelo aparecimento de pelo menos duas variantes distintas e pelo alastrar a todo o mundo”.


A pandemia no mundo. Londres avança, Canadá em emergência e Alemanha em recessão
Se o Reino Unido "vira a página", França está a conseguir conter a vaga pandémica. Mas os efeitos da crise de saúde coloca a maior economia europeia - a alemã - numa recessão técnica, antes de uma forte recuperação na primavera.

Em relação à covid-19, o investigador salientou que a pandemia “ainda não acabou” a nível global e está a “demorar mais” porque se está a “contrariar o avanço do vírus”, ao contrário do que aconteceu em 1918-1919.

Neste comparativo entre as duas pandemias, “também aprendemos que a História nos dá lições que não devem ser esquecidas. Em 2018 não assinalámos o centenário da gripe de 1918 e simplesmente tínhamos esquecido as doenças infetocontagiosas”, salientou Miguel Castanho, referindo que, por essa razão, as vítimas da pneumónica “morreram duas vezes: uma pelo vírus, outra de esquecimento”.

Segundo o especialista, o desenvolvimento de novos medicamentos antivirais e antibióticos sofreu uma “enorme desaceleração na segunda metade do século XX”, o que faz com que agora muitos países não estejam tão bem preparados quanto deviam para novos vírus e bactérias super-resistentes.

“Devemos ter em mente que esta não foi a primeira pandemia, nem será a última. Crê-se que o vírus de 1918 migrou das aves para os humanos devido a uma ligeira mudança na sua estrutura. De igual forma, o SARS-CoV-2 migrou dos morcegos para os humanos. É sempre possível que outras migrações aconteçam. Só não sabemos quando e onde”, alertou o investigador.

Já o historiador José Manuel Sobral, num artigo comparativo entre as duas pandemias publicado na revista Medicina Interna, adianta que, no caso da gripe pneumónica, a “taxa de mortalidade em Portugal foi muito superior à registada em outros países europeus”, variando entre os 60 mil mortos dos primeiros dados oficiais e os cerca de 130 mil, sem comparação com os atuais cerca de 21 mil óbitos por covid-19.


Famílias e amigos emocionados após voltarem a ver-se três anos depois, no Brisbane International Airport, esta segunda-feira, 21 de fevereiro.
Dois anos depois, Austrália volta a abrir fronteiras a vacinados
A partir desta segunda-feira, 21, quem tiver a vacinação completa, pode entrar no país, desde que apresente um teste PCR negativo.

O investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa salientou ainda que “ambas as pandemias estão ligadas à mobilidade e à aglomeração humana”, com a guerra, no caso da pneumónica, a desempenhar “um papel enorme” por obrigar ao deslocamento de milhões de soldados, por vezes entre continentes, concentrando-os em aquartelamentos e trincheiras.

Já na atual pandemia, “em janeiro de 2020, por exemplo, houve mais de 1.300 voos da China para os EUA, transportando perto de meio milhão de passageiros, o que constitui uma boa indicação do modo como a mobilidade acelerada propicia a multiplicação da infeção”, refere José Manuel Sobral.

De acordo com o historiador, um outro aspeto comum entre as pandemias reside no facto de o combate aos vírus “recorrer aos mesmo tipo de medidas de caráter social”, como o distanciamento social e o confinamento.

Na segunda vaga da pneumónica em Portugal, “houve escolas fechadas, adiamento da abertura de aulas, a Universidade de Coimbra foi encerrada e o mesmo aconteceu com o parlamento, também afetado pela doença dos seus membros”, indica o artigo.

“Houve feiras e peregrinações proibidas. No entanto, a principal autoridade de saúde envolvida, o diretor-geral de Saúde Ricardo Jorge, que defendia a necessidade de isolar os doentes e de evitar o contacto físico estreito – apertos de mão, beijos, visitas a doentes – não só pensava que não havia salvação daquele vírus no isolamento total, como entendia que não se podia levar a vida económica ao colapso, devendo evitar-se o pânico e desânimo provocado por tais medidas”, refere o historiador.

No caso da pneumónica, a “pandemia surpreendeu pela sua rapidez e intensidade, pela sua elevada taxa de mortalidade, e pelo facto de atingir em especial os adultos jovens. Não havia memória de algo assim”, sublinha José Manuel Sobral.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Há alguns anos a agência Lusa entrevistou Maria Rosa, uma mulher que na altura tinha 101 anos, e que conviveu de perto com a doença que na altura matou mais de 50 milhões de pessoas no planeta.
A pandemia de 1918-1919 matou mais de 20 milhões de pessoas no mundo, só em Portugal, mais de 100 mil. Atualmente seria assim tão mortal? Podem os estudos sobre este flagelo ajudar nos planos de combate à pandemia do novo coronavírus? As respostas do especialista.