Escolha as suas informações

Portugal. Centros vão encher-se no fim de semana para vacinar mais de 100 mil jovens com 16 e 17 anos
Portugal 2 min. 14.08.2021
Covid-19

Portugal. Centros vão encher-se no fim de semana para vacinar mais de 100 mil jovens com 16 e 17 anos

Covid-19

Portugal. Centros vão encher-se no fim de semana para vacinar mais de 100 mil jovens com 16 e 17 anos

LUSA
Portugal 2 min. 14.08.2021
Covid-19

Portugal. Centros vão encher-se no fim de semana para vacinar mais de 100 mil jovens com 16 e 17 anos

Lusa
Lusa
O fim de semana será dedicado à faixa etária dos 16 aos 17 anos e, por isso, a ‘task-force’ quer que mesmo aqueles sem marcação se vão vacinar.

Os centros de vacinação vão encher-se este fim de semana, numa operação para vacinar em dois dias os jovens de 16 e 17 anos, com mais de 100 mil marcações feitas e a possibilidade de recorrer à “Casa Aberta”.

No total, há cerca de 102 mil jovens com marcação para a toma da primeira dose da vacina contra a covid-19 e vão todos fazê-lo entre sábado e domingo.

Segundo a ‘task-force’ responsável pelo processo, todos os centros de vacinação vão estar na sua capacidade máxima instalada durante esses dois dias, mas o objetivo é vacinar ainda mais pessoas.

Por isso, além dos 102 mil que realizaram o autoagendamento no início do mês, e que representam cerca de metade da população desta faixa etária, vai estar também disponível a modalidade “Casa Aberta”.


Centros de vacinação de Lisboa vão estar abertos até à uma da manhã e com DJ
Este fim de semana, está aberta a vacinação para os jovens de 16 e 17 anos e a 'task force' em Portugal pensou em formas originais de tornar a experiência menos monótona.

Esta modalidade, que funciona em horários limitados, dispensa a marcação prévia, exigindo apenas a obtenção de uma senha digital através do portal do Ministério da Saúde (https://covid19.min-saude.pt/senha-digital-casa-aberta/), e atualmente só está disponível para maiores de 18 anos.

No entanto, o fim de semana será dedicado à faixa etária dos 16 aos 17 anos e, por isso, a ‘task-force’ quer que mesmo aqueles sem marcação se vão vacinar.

À semelhança dos mais novos, estes jovens serão inoculados com a vacina da Pfizer, cujo intervalo entre doses, atualmente definido pela norma da DGS, é de 21 dias.

Assim, no fim de semana de 05 e 06 de setembro voltam para receber a segunda dose, de forma a terem a vacinação completa antes do início do ano letivo, que arranca entre 14 e 17 de setembro.

Depois desta faixa etária, os dois fins de semana seguintes serão dedicados aos jovens entre os 12 e 15 anos, que deverão ter as duas doses até 19 de setembro.

Na quarta-feira, o vice-almirante Gouveia de Melo, que coordena a ‘task-force’ responsável pelo processo de vacinação, apelou à adesão dos jovens nas datas previstas, mas não afastou outras estratégias.


Mortalidade em Portugal vai manter-se "provavelmente elevada"
O documento assinala que a mortalidade por covid-19 em Portugal - 18,6 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes - "está acima do limiar preconizado" pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças.

“Se não conseguirmos vacinar os jovens nesses fins de semana de certeza que vamos encontrar outros dias para vacinar esses jovens, só que o processo organizado e dedicado é feito nesses dois fins de semana. O outro processo, eles integrarão naturalmente porque haverá abertura para isso porque só temos um objetivo, que é vacinar", disse o responsável.

Portugal já tem 62% da população com vacinação completa contra a covid-19 e 71% com pelo menos uma dose administrada, com os maiores de 65 anos quase totalmente vacinados.

O relatório mais recente de vacinação contra a covid-19 da DGS contabiliza 7.330.505 residentes em Portugal (71%) com pelo menos uma dose de vacina administrada e 6.403.987 pessoas (62%) com a vacinação completa.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A vacinação contra a covid-19 iniciou-se há um ano em Portugal, mas as expectativas de vencer o coronavírus com a imunização da população foram-se esbatendo, devido a novas variantes que obrigaram a vacinar mais os portugueses.
Vacinação
A campanha de vacinação começou na fase mais negra da pandemia do país, em janeiro, com fura filas e demissões polémicas. Hoje Portugal é o segundo país do mundo com maior número de vacinados.“Fico satisfeito por ter contribuído para um processo que foi decisivo para salvar vidas”, declara ao Contacto o vice-almirante Gouveia e Melo, na véspera de deixar a liderança da vacinação em Portugal e com o país prestes atingir os 85% de vacinados. Esta é uma história de sucesso muito elogiado nos quatro cantos do mundo. E que merece ser contada.
O coordenador da task-force para a vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, durante a conferência de imprensa com atualização da informação sobre a vacina covid-19 da Astrazeneca, no Ministério da Saúde, em Lisboa, 18 de março de 2021. RODRIGO ANTUNES/LUSA