Escolha as suas informações

Portugal. Catorze incêndios ativos na sexta-feira à tarde, metade do dia anterior
Portugal 2 min. 15.07.2022
Incêndios

Portugal. Catorze incêndios ativos na sexta-feira à tarde, metade do dia anterior

Incêndios

Portugal. Catorze incêndios ativos na sexta-feira à tarde, metade do dia anterior

LUSA
Portugal 2 min. 15.07.2022
Incêndios

Portugal. Catorze incêndios ativos na sexta-feira à tarde, metade do dia anterior

Lusa
Lusa
Mais de 850 bombeiros combatiam hoje os 14 incêndios ativos no país, um número bastante inferior ao registado na quinta-feira à tarde, quando o combate às chamas envolvia mais de 2.400 operacionais, segundo a Proteção Civil.

De acordo com a informação disponível na página da Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no terreno a combater os fogos ativos estavam 861 bombeiros, apoiados por 261 veículos e 13 meios aéreos.

Na quinta-feira, à mesma hora, existiam 26 incêndios ativos, que mobilizavam 2.409 operacionais, com 686 veículos e 30 meios aéreos.

Esta tarde, a região Norte está a ser a mais fustigada pelos incêndios e o fogo que lavra desde manhã em Espanha, junto à fronteira com Bragança, já obrigou a retirar 14 pessoas da aldeia da Petisqueira.

O alerta para o fogo foi dado pouco depois das 07:00 e as operações continuam no terreno com o combate às chamas a ser feito dos dois lados da fronteira.


Homem foi preso por suspeitas da autoria do incêndio em Ourém (na foto), na quarta-feira.
Portugal a arder. Quem são os nove incendiários já detidos
São suspeitos de atear fogos de norte a sul do país, nos últimos sete dias. Um dos detidos tem 83 anos. As histórias por detrás das chamas.

No lado português, pelas 18:00, encontravam no local um dispositivo com 104 operacionais, 40 viaturas e três meios aéreos. O incêndio que deflagrou na terça-feira no distrito de Viana do Castelo, no concelho de Ponte da Barca, é dos que mobiliza esta tarde mais meios: 234 bombeiros, 77 veículos e um meio aéreo.

No distrito de Vila Real há também um fogo ativo, que deflagrou na localidade de Bustelo, no concelho de Chaves, pelas 14:45, e está a ser combatido por 124 bombeiros, 31 veículos e dois meios aéreos.

No concelho de Baião, no distrito do Porto, dois incêndios estão a ser combatidos por quase 300 operacionais.

O fogo que deflagrou às 06:28 de quinta-feira, na localidade de Teixeira, está a mobilizar 171 bombeiros, apoiados por 57 viaturas e um meio aéreo.

O incêndio que deflagrou, também na quinta-feira, cerca das 15:30, na localidade de Lordelo, tem envolvidos no combate às chamas um dispositivo com 117 operacionais, 31 veículos e quatro meios aéreos.

Esta tarde, o fogo que deflagrou na terça-feira em Faro e passou depois para o concelho de Loulé, e que já tinha sido dado como extinto na quinta-feira, sofreu uma reativação. Contudo, o dispositivo que permanece no local controlou a situação e o fogo entrou novamente em fase de resolução.

Também em fase de resolução permanece o fogo que deflagrou, igualmente na terça-feira, no distrito de Leiria, na localidade de Caranguejeira, permanecendo no local quase 150 bombeiros, com viaturas.

Segundo o balanço feito ao final da manhã de hoje pela Proteção Civil, quase 190 pessoas sofreram ferimentos (90 operacionais e 93 civis), quatro dos quais considerados feridos graves, na última semana devido aos incêndios florestais, tendo sido feitas 865 evacuações preventivas.

Portugal Continental está em situação de contingência até domingo devido às previsões meteorológicas, com temperaturas muito elevadas em algumas partes do país, e ao risco de incêndio.

A situação de contingência corresponde ao segundo nível de resposta previsto na lei da Proteção Civil e é declarada quando, face à ocorrência ou iminência de acidente grave ou catástrofe, é reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou especiais de reação não mobilizáveis no âmbito municipal.

Cinco distritos de Portugal continental mantêm-se sob aviso vermelho, o mais grave, devido ao tempo quente, com mais de uma centena de concelhos em perigo máximo de incêndio rural, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas