Escolha as suas informações

Portugal. Autoagendamento disponível a partir dos 37 anos, e não dos 35
Portugal 21.06.2021
Covid-19

Portugal. Autoagendamento disponível a partir dos 37 anos, e não dos 35

Covid-19

Portugal. Autoagendamento disponível a partir dos 37 anos, e não dos 35

AFP
Portugal 21.06.2021
Covid-19

Portugal. Autoagendamento disponível a partir dos 37 anos, e não dos 35

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
A 'Task Force' recua na idade permitida para autoagendamento. Quem tem 35 terá de esperar.

Ao contrário do que estava previsto pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o autoagendamento para a vacina contra a covid-19 vai abrir esta segunda-feira apenas para pessoas com idade igual ou superior a 37 anos e não 35 anos, já foi confirmado pela 'Task Force' responsável pela campanha de vacinação. 

O motivo para o recuo da DGS prende-se com a vontade de   "estratificar o público de forma mais fina, à semelhança do que já foi feito", avança a imprensa portuguesa. 

Com o ritmo de vacinação a aumentar em Portugal, a vacinação deverá ser aberta à população entre os 20 e os 29 anos "a partir de meados de julho", avançou também a 'Task Force'.     

Este agendamento permite que a pessoa escolha o centro de vacinação e a data em que prefere ser vacinada. Caso não exista vaga para essa data/hora escolhida, pode ficar em lista de espera ou pode escolher outro ponto de vacinação.

Mais de 4,3 milhões de portugueses já foram vacinados com uma dose da vacina (o que representa 42% da população), dos quais mais de 2,5 milhões de cidadãos já completaram o processo de vacinação (25% da população), segundo o último relatório divulgado pela DGS. 

O objetivo é ter 70% da população com pelo menos uma dose da vacina já em agosto.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Vacinação
A campanha de vacinação começou na fase mais negra da pandemia do país, em janeiro, com fura filas e demissões polémicas. Hoje Portugal é o segundo país do mundo com maior número de vacinados.“Fico satisfeito por ter contribuído para um processo que foi decisivo para salvar vidas”, declara ao Contacto o vice-almirante Gouveia e Melo, na véspera de deixar a liderança da vacinação em Portugal e com o país prestes atingir os 85% de vacinados. Esta é uma história de sucesso muito elogiado nos quatro cantos do mundo. E que merece ser contada.
O coordenador da task-force para a vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo, durante a conferência de imprensa com atualização da informação sobre a vacina covid-19 da Astrazeneca, no Ministério da Saúde, em Lisboa, 18 de março de 2021. RODRIGO ANTUNES/LUSA