Escolha as suas informações

Portugal. Arquivado inquérito à morte de criança de seis anos no Santa Maria
Portugal 05.02.2022 Do nosso arquivo online
Covid-19

Portugal. Arquivado inquérito à morte de criança de seis anos no Santa Maria

Covid-19

Portugal. Arquivado inquérito à morte de criança de seis anos no Santa Maria

Foto: Lusa
Portugal 05.02.2022 Do nosso arquivo online
Covid-19

Portugal. Arquivado inquérito à morte de criança de seis anos no Santa Maria

Paula FREITAS FERREIRA
Paula FREITAS FERREIRA
Não havendo indícios de suspeita de crime, Ministério Público determinou o arquivamento do processo.

Depois do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses ter concludo que a morte de criança de 6 anos no Hospital de Santa Maria, no dia 16 de janeiro, não decorreu da vacina contra a covid-19 e por não se ter verificado quaisquer outros indícios de suspeita de crime, o Ministério Público decidiu pela arquivação do inquérito.

Na nota divulgada na passada sexta-feira na página da Procuradoria da República da Comarca de Lisboa, é referido que na sequência do óbito foi realizada a autópsia médico-legal, "a qual concluiu que a morte não foi devida à referida vacinação".


Portugal. Morte de criança de 6 anos em Santa Maria não foi causada pela vacina
Estes são os os resultados da autópsia realizada à criança. Esta informação foi já transmitida à família do menino.

"Como é do conhecimento público, a criança realizou um teste de antigénio de SARS-CoV-2 (COVID-19), que deu positivo. Apurou-se ainda que já lhe tinha sido administrada a primeira dose da vacina pediátrica da Pfizer", refere ainda a nota.


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

É a vacinação dos 5-11 anos é mais polémica e que enche de dúvidas os pais. O Contacto ouviu especialistas, entre eles o coordenador de um dos ensaios clínicos nos Estados Unidos e explica-lhe tudo sobre esta nova vacina. "Não é urgente vacinar já todas as crianças. Só as de risco", é a opinião mais consensual.
Portugal recomenda a vacinação generalizada dos 5 aos 11 anos, mas com prioridade para as crianças de risco.