Escolha as suas informações

Portugal. António Mexia e Manso Neto suspensos de funções na EDP
Portugal 06.07.2020

Portugal. António Mexia e Manso Neto suspensos de funções na EDP

Portugal. António Mexia e Manso Neto suspensos de funções na EDP

Foto: LUSA
Portugal 06.07.2020

Portugal. António Mexia e Manso Neto suspensos de funções na EDP

O juiz Carlos Alexandre decidiu afastar das funções na empresa do setor energético do presidente da EDP e do presidente da EDP renováveis por suspeita de corrupção.

O juiz Carlos Alexandre determinou esta segunda-feira a suspensão de funções de António Mexia, presidente da EDP, e de João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, no âmbito do caso das rendas da eléctrica, de acordo com o Público.

Este afastamento de funções tinha sido proposto pelo Ministério Público. Entre as medidas de coação está também uma caução no valor de um milhão de euros, tanto a Mexia com a Manso Neto, bem como a proibição de contactar, por qualquer meio, com arguidos no caso, entrada de todos os edifícios da EDP e a impossibilidade de qualquer viagem ao estrangeiro, descreve o Público.

Para João Conceição, administrador da REN e antigo consultor de Manuel Pinho, o juiz Carlos Alexandre determinou uma caução de 500 mil euros e a proibição de contactos com envolvidos no processo. 

Este processo está há cerca de oito anos em investigação no Departamento Central de Investigação e Acção Penal e tem cinco arguidos: António Mexia, João Manso Neto, o ex-ministro Manuel Pinho e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.

Segundo a acusação, António Mexia e João Manso Neto são suspeitos de terem corrompido, em conjunto, um ministro, um secretário de Estado, um assessor governamental e um director-geral, imputações que integram o inquérito das rendas da EDP e que levaram os procuradores do caso a pedir a suspensão de funções de ambos na eléctrica nacional.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.