Escolha as suas informações

Portugal. Alunos do ensino superior alojados em hostels e pousadas
Portugal 07.08.2020

Portugal. Alunos do ensino superior alojados em hostels e pousadas

Portugal. Alunos do ensino superior alojados em hostels e pousadas

DR
Portugal 07.08.2020

Portugal. Alunos do ensino superior alojados em hostels e pousadas

Este ano as colocações no Ensino Superior vão ser anunciadas mais tarde do que o habitual, a 28 de Setembro.

Segundo as orientações da Direcção-Geral da Saúde (DGS), as camas das residências estudantis devem manter um distanciamento de dois metros. O resultado? A estimativa do Governo é que a regra implique uma redução de 20% na oferta de alojamento, perdendo-se cerca de 3000 de lugares para estudantes. A solução? As pousadas e os hostels vão alojar os universitários. 

A notícia foi avançada esta sexta-feira pelo jornal Púlico. Trata-se de uma negociação, válida para o próximo ano letivo, entre o ministério da Ciência e Ensino Superior e a Associação de Hostels de Portugal que "vai permitir utilizar unidades de alojamento local em Lisboa, Porto, Coimbra e Braga para acolher alunos do ensino superior", escreve o diário. No entanto, os contratos serão assinados diretamente com as instituições de ensino superior, o que deverá acontecer já no próximo mês. 

O acordo cobre as quatro cidades com mais estudantes, que também correspondem às zonas mais afetadas pela quebra do turismo provocada pela pandemia de covid-19. Em causa está "um acordo global" que permitirá "identificar quais as unidades de alojamento local disponíveis para receber estudantes e garantir que todos cumprem as normas sanitárias", que incluem, por exemplo, a proibição de utilização de quartos com beliches. 


Plano para próximo ano letivo só em agosto
A dois meses do início do próximo ano escolar, o Ministério da Educação do Luxemburgo afirma que ainda é cedo para apresentar a estratégia final, esperada só para o final de agosto.

Haverá ainda a possibilidade de estudantes ficarem alojados em Pousadas de Juventude num acordo com a Movijovem, entidade que gere essa rede, que, segundo o mesmo jornal, permite disponibilizar mais 500 camas. 

O secretário de Estado da Ciência e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, descreveu a situação como um “bom casamento”. Citado pelo jornal Público menciona que “os hostels garantem um rendimento durante um ano, que lhes permitirá manter a estrutura numa altura em que sofreram uma quebra de clientes, e nós conseguimos encontrar uma solução para o alojamento dos estudantes."


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.