Escolha as suas informações

PISA. Alunos portugueses na média da OCDE, mas resultados a ciências pioram
Portugal 2 min. 03.12.2019

PISA. Alunos portugueses na média da OCDE, mas resultados a ciências pioram

PISA. Alunos portugueses na média da OCDE, mas resultados a ciências pioram

Foto: Pixabay
Portugal 2 min. 03.12.2019

PISA. Alunos portugueses na média da OCDE, mas resultados a ciências pioram

O relatório aponta Portugal como uma das únicas sete economias - entre 79 analisadas - onde, ao longo da sua participação no PISA, os resultados foram consistentemente de progresso nas áreas da leitura, matemática e ciências.

Os alunos portugueses estão ligeiramente acima da média da OCDE em competências como leitura, matemática e ciências, ainda que neste último domínio tenham piorado resultados face à avaliação de 2015, revela o relatório PISA 2018, hoje divulgado.

O PISA (sigla inglesa para Programa Internacional de Avaliação de Alunos) é um relatório Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que de três em três anos mede o desempenho dos alunos de 15 anos em competências como leitura, matemática e ciências e avalia ainda outras questões como o ambiente escolar e a as condições de equidade na aprendizagem.

O relatório aponta Portugal como uma das únicas sete economias - entre 79 analisadas - onde, ao longo da sua participação no PISA, os resultados foram consistentemente de progresso nos três domínios.

Para além de Portugal, apenas Albânia, Colômbia, Macau (China), República da Moldávia, Perú e Qatar o conseguiram.

Apesar dos progressos, os resultados dos alunos portugueses a ciências pioraram em 2018 face aos registados no relatório anterior, em 2015. Ainda que se mantenham ligeiramente acima da média da OCDE, os resultados caíram para valores próximos dos registados há cerca de uma década.

Em 2018, 80% dos alunos portugueses que participaram no estudo da OCDE obtiveram em ciências resultados de, pelo menos, nível 2, ou seja, o nível mínimo de exigência nos critérios de avaliação de competências usados pela OCDE, ficando ligeiramente acima da média da organização, que é de 78%.

A percentagem de alunos nacionais considerados ‘top performers’, ou seja, com um desempenho de topo a ciências foi de 6%, quase em linha com a média de 7% da OCDE.


OCDE. Luxemburgo volta a destacar-se como mau aluno nos testes PISA
Os resultados dos alunos 15 anos ficaram abaixo da média dos países da OCDE.

Em competências de leitura, os alunos portugueses que atingiram pelo menos o nível 2 de competências fixaram-se nos 80%, acima dos 77% de média da OCDE. Neste domínio a percentagem de alunos de topo, que atingem níveis de 5 e 6, foi de 7%, abaixo dos 9% de média da OCDE.

Já a Matemática, os alunos portugueses estão praticamente iguais à média da OCDE (76%), registando uma percentagem de 77% de estudantes que atingem pelo menos o nível 2. A percentagem de alunos de topo supera a média da OCDE (11%), com um registo de 12%.

Os resultados internacionais mostram que algumas regiões da China que participam no estudo, entre as quais Hong Kong e Macau, e outras economias asiáticas, como Singapura, se encontram entre os países ou regiões com melhores resultados a Matemática, com algumas regiões chinesas a conseguirem colocar quase metade dos seus alunos entre os ‘top performers’ da disciplina.

Lusa


Notícias relacionadas

Estudar ainda garante emprego no Luxemburgo
A OCDE adverte que o Grão-Ducado é dos países com um dos níveis mais elevados de abandono escolar no ensino secundário. Alunos estrangeiros têm dificuldades em lidar com o sistema de ensino trilingue luxemburguês, explica a OCDE ao Contacto.
Grão-Ducado não consegue ajudar alunos em desvantagem
Imagine uma corrida em que alguns dos participantes partem alguns minutos mais tarde. O esforço que terão de fazer para chegar aos primeiros participantes terá de ser muito superior e a maior parte não conseguirá mesmo chegar à meta num tempo aceitável. Na escola, imagine o mesmo cenário: os alunos que têm algum tipo de desvantagem têm maiores dificuldades em conseguir um desempenho melhor.
February 22, 2018 - Luxembourg: Students participate in the 11th edition of Olympics in natural sciences in Campus GeeseknŠppchen in Luxembourg. Students compete for the highest marks in biology, chemistry and physics tests. Photo: Matic Zorman
Ter curso superior ainda garante emprego
Os alunos do ensino superior preferem cursos de gestão, administração de empresas e direito. De acordo com a OCDE, os professores são dos mais bem pagos e as turmas são mais pequenas.
Destaque: Luxemburgo volta a ser mau aluno
O Luxemburgo volta a apresentar resultados abaixo da média da OCDE em ciências, matemática e leitura. E de acordo com o estudo PISA, o desempenho dos alunos piorou face ao estudo de 2012.