Escolha as suas informações

Personalidades da política recordam Freitas do Amaral
Portugal 3 min. 03.10.2019

Personalidades da política recordam Freitas do Amaral

Personalidades da política recordam Freitas do Amaral

Foto:Lusa
Portugal 3 min. 03.10.2019

Personalidades da política recordam Freitas do Amaral

O Presidente da República foi um dos que manifestou pesar pela morte do fundador do CDS esta quinta-feira aos 78 anos.

“Acabou de falecer um dos fundadores do nosso regime democrático. À memória do professor Freitas do Amaral, ilustre académico e distinto Estadista, curvamo-nos em sua homenagem. Apresentamos à sua família, amigos e admiradores as nossas sentidas condolências", foi desta forma que o gabinete de António Costa transmitiu a mensagem do primeiro-ministro que declarou luto nacional para o dia do funeral.

Já o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, afirmou esta quinta-feira que recebeu com "enorme consternação" a notícia da morte do antigo ministro Freitas do Amaral, "fundador do regime democrático" e cidadão com "grande dedicação" à causa pública.

"Fundador do nosso regime democrático, o professor Freitas do Amaral serviu Portugal e os Portugueses em diversas ocasiões", considerou Ferro Rodrigues, numa nota enviada à agência Lusa.

Para o presidente da Assembleia da República, Freitas do Amaral "prestigiou Portugal como poucos, assumindo a presidência da Assembleia Geral das Nações Unidas entre 1995 e 1996".

"Foi, por excelência, um académico, tendo sido assistente e professor de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, de que era catedrático em 1983. Em 1996, foi um dos responsáveis pela criação da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa", apontou ainda.

"Dele guardarei memória de um homem culto, cordato, afetuoso. De um homem de diálogo, um democrata, por quem tinha uma grande consideração e estima. Portugal vê hoje desaparecer um dos nomes grandes da política democrática e do ensino do Direito", frisa o presidente da Assembleia da República.

O presidente do PSD, Rui Rio, recordou Freitas do Amaral, que hoje faleceu, como "um aliado" num momento crucial do país, deixando-lhe "uma palavra de homenagem" durante um almoço de campanha.

"Queria deixar aqui uma palavra de homenagem ao professor Freitas do Amaral. Nem sempre o PSD esteve de acordo com ele ou ele de acordo com o PSD, mas nos momentos importantes do país e do PSD o professor Freitas do Amaral foi um aliado", afirmou Rui Rio.

Num almoço de campanha do CDS-PP, Assunção Cristas recordou o passado de Diogo Freitas do Amaral, como fundador, e "a coragem" necessária para defender as ideias do partido no período revolucionário.

Já Adriano Moreira, antigo presidente do CDS, faz questão de sublinhar que Freitas do Amaral foi "um grande professor e constitucionalista", que deixa "uma obra incomparável." Mas não só: "além de fundador da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, é ainda necessário sublinhar o seu papel na criação da democracia cristã em Portugal, numa altura em que era aqueles princípios que orientavam a União Europeia."

Também Marcelo Rebelo de Sousa, através de um comunicado no site da Presidência, manifestou o mais profundo pesar pelo falecimento de Diogo Freitas do Amaral, um dos quatro fundadores do sistema político-partidário democrático em Portugal. "A Diogo Freitas do Amaral deve a Democracia portuguesa o ter conquistado para a direita um espaço de existência próprio no regime político nascente, apesar das suas tantas vezes afirmadas convicções centristas".

Outras personalidades preferiram deixar o seu pesar público na rede social Twitter. Foi o caso de José Manuel Durão Barroso. "Os meus mais sentidos pêsames à família do Prof Diogo Freitas do Amaral, distinto académico e um dos fundadores do sistema político-partidário português. Dele recordo especialmente a presidência Assembleia Geral da ONU para cuja candidatura o convidei em nome do PM Cavaco Silva."

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.