Escolha as suas informações

Paulo Morais diz que Passos deve encontrar solução governativa ou passar a vez
Portugal 30.10.2015 Do nosso arquivo online
Candidato a PR

Paulo Morais diz que Passos deve encontrar solução governativa ou passar a vez

Candidato a PR

Paulo Morais diz que Passos deve encontrar solução governativa ou passar a vez

Foto: Manuel Dias
Portugal 30.10.2015 Do nosso arquivo online
Candidato a PR

Paulo Morais diz que Passos deve encontrar solução governativa ou passar a vez

O candidato à Presidência da República Paulo Morais considerou que o primeiro-ministro indigitado tem "a obrigação" de encontrar uma solução governativa e, caso não consiga, “passar a vez ao seguinte”, para evitar continuar num “espetáculo lamentável”.

O candidato à Presidência da República Paulo Morais considerou que o primeiro-ministro indigitado tem "a obrigação" de encontrar uma solução governativa e, caso não consiga, “passar a vez ao seguinte”, para evitar continuar num “espetáculo lamentável”.

“O líder do PSD ganhou as eleições, teve mais votos e mais deputados, e isso dá-lhe direitos, mas também obrigações perante o eleitorado, porque ser primeiro-ministro não é um prémio para quem se portou melhor na campanha eleitoral”, frisou Paulo Morais, na quinta-feira à noite, à margem da apresentação do seu livro Janela do Futuro, em Vila Nova de Gaia, Porto.

O candidato a Belém entendeu que, três semanas após as eleições, os portugueses não sabem o que vai acontecer, estão ansiosos e angustiados e criou-se na classe política uma “maior clivagem, sendo o “principal responsável” o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

“O que teria feito se fosse Presidente da República era, no dia a seguir às eleições, 05 de outubro, ter recebido todos os partidos com representação parlamentar e pedido ao líder do primeiro partido que apresentasse uma solução governativa em 48 horas”, explicou.

Na sua opinião, se Passos Coelho não conseguisse uma solução tinha de ser dada oportunidade ao líder do segundo partido mais votado e, se este também não arranjasse, passaria ao terceiro.

Paulo Morais disse que as conversações entre os partidos foram “falsas negociações”, porque quem quer negociar “a sério” não o faz na praça pública, mas sim discretamente.

“O que eles [partidos] fizerem foi brincar com os eleitores, mas isso só foi possível porque Cavaco Silva permitiu”, adiantou.

Antigo vice-presidente da câmara do Porto, com os pelouros do Urbanismo, Ação Social e Habitação, durante o mandato de Rui Rio (PSD), de 2002 a 2005, Paulo Morais, 51 anos, notabilizou-se pelas posições anticorrupção.

Pertence à associação cívica Transparência e Integridade e é professor universitário.

A cerca de três meses do final do mandato do atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, são já 17 os candidatos que anunciaram a intenção de entrar na corrida a Belém.


Notícias relacionadas

Impasse político
Marcelo Rebelo de Sousa marcou as eleições legislativas para o próximo dia 30 de Janeiro. Neste século, é a quarta vez que Portugal vai a eleições antecipadas. Escolhendo esta data, o presidente da República decretou igualmente o impasse político mais longo destes 20 anos. Desde o chumbo do OE, serão 95 dias de vazio político. A crise mais longa tinha ocorrido em 2001, quando António Guterres se demitiu depois da “débâcle” nas autárquicas.
O ex-primeiro-ministro José Sócrates acusou esta domingo Cavaco Silva de estar a actuar com base no ressentimento e considerou que a demora na resolução do impasse político tem como intenção construir as bases da campanha eleitoral da direita.
José Sócrates
O candidato à Presidência da República Paulo Morais critica Cavaco Silva por deixar o país sem governo "há mais de um mês". Paulo Morais diz que acredita que os deputados não vão rejeitar o Governo de Passos Coelho, mas se tal acontecer Cavaco deve chamar Costa para formar Governo.
Paulo Morais ainda acredita que Passos Coelho vai governar Portugal