Escolha as suas informações

Opinião: Autárquicas e não só
Editorial Portugal 2 min. 27.09.2017 Do nosso arquivo online

Opinião: Autárquicas e não só

Luís Montenegro

Opinião: Autárquicas e não só

Luís Montenegro
Foto: Lusa
Editorial Portugal 2 min. 27.09.2017 Do nosso arquivo online

Opinião: Autárquicas e não só

"Luís Montenegro pode ser o candidato da continuidade"

Nesta campanha eleitoral para as autarquias, há quem esteja a correr em duas pistas, provavelmente mais preocupado com aquela que mal se vê. É o caso de Assunção Cristas e de Luís Montenegro.

A líder do CDS, candidata à Câmara de Lisboa, aproveita todos os momentos de campanha para se afirmar no plano nacional, com críticas ao Governo. Claro que a sua avaliação do Governo, concorde-se ou não com ela, é legítima. Mas a verdade é que ela privilegia mais a política nacional que os problemas da cidade de Lisboa.

E a acreditar nas sondagens, está a marcar pontos com essa estratégia. Algumas medições das intenções de voto já a colocam em segundo lugar, à frente da candidata do PSD, Teresa Leal Coelho. Com isso, ela contribui para a derrota de Passos Coelho, embora, de quando em vez, elogie a ação do seu governo, que ela própria integrou.

O segundo caso é o de Luís Montenegro. O antigo presidente do grupo parlamentar do PSD está a aparecer em ações de campanha, com uma frequência crescente, apesar de não ser candidato. Diz ele que são os candidatos locais que pedem a sua presença e apoio. E fontes não identificadas dizem mesmo que alguns candidatos preferem a presença de Montenegro, em vez da de Passos Coelho. Será?

Como já aqui escrevi, Montenegro é apontado como um dos candidatos à sucessão de Pedro Passos Coelho e ele próprio já admitiu que o seu passado no partido lhe dá pergaminhos para participar nas soluções de futuro. Isto quer dizer que, quando o problema da sucessão se colocar, ele está à vontade para reclamar um lugar na grelha de partida.

Diga-se, em abono da verdade, que Luís Montenegro não poupa nos elogios que faz a Passos Coelho sempre que fala. Mas também esse pormenor pode ser visto como a afirmação de um candidato a uma sucessão sem ruturas. Luís Montenegro pode ser o candidato da continuidade. E o ainda líder parece não se incomodar com esta presença constante.

O que tem resultado desta atividade constante é a afirmação de um putativo líder. De todos os nomes apontados para a liderança, Montenegro é o que recebe mais atenções dos media. Isto quer dizer que está a entrar na corrida antes dos outros e, se no domingo as coisas não correrem bem para o PSD, é mais que certo que as televisões vão à procura dele, com as perguntas óbvias.

Nota final: morreu D. Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal, onde a sua voz se ouviu bem alto, nos tempos da fome e do desemprego. Portugal perdeu um cidadão de elevada craveira, humanista e intelectual, que soube sempre estar onde mais falta fazia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O reeleito presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou no sábado que o partido inicia "um novo ciclo na vida política portuguesa", com um "compromisso reformista" e as eleições autárquicas e regionais açorianas no horizonte.
O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Pedro Passos Coelho (C), fala aos jornalistas ap�s ter exercido o seu direito de voto na distrital de Lisboa para as elei��es diretas para a escolha do presidente do partido, em Lisboa, 05 de mar�o de 2016. PEDRO NUNES/LUSA