Escolha as suas informações

Operação Marquês:: Filme dos acontecimentos da passagem de Sócrates a prisão domiciliária
Portugal 2 min. 04.09.2015

Operação Marquês:: Filme dos acontecimentos da passagem de Sócrates a prisão domiciliária

O ex-primeiro-ministro, acompanhado do seu advogado, João Araújo, à chegada à casa onde fica em prisão domicilária após ter saído do estabelecimento Prisional de Évora

Operação Marquês:: Filme dos acontecimentos da passagem de Sócrates a prisão domiciliária

O ex-primeiro-ministro, acompanhado do seu advogado, João Araújo, à chegada à casa onde fica em prisão domicilária após ter saído do estabelecimento Prisional de Évora
Foto: LUSA
Portugal 2 min. 04.09.2015

Operação Marquês:: Filme dos acontecimentos da passagem de Sócrates a prisão domiciliária

Filme dos acontecimentos do dia em que o ex-primeiro-ministro José Sócrates deixou o estabelecimento prisional de Évora para ficar em prisão domiciliária, em Lisboa.

Filme dos acontecimentos do dia em que o ex-primeiro-ministro José Sócrates deixou o estabelecimento prisional de Évora para ficar em prisão domiciliária, em Lisboa.

Sexta-feira, 04 de Setembro:

Após as 19h – TSF e CMTV noticiam que o ex-primeiro-ministro José Sócrates vai deixar a prisão de Évora e que passa a prisão domiciliária.

19h45 – João Araújo, advogado de José Sócrates, confirmou à Lusa que o ex-primeiro-ministro ia deixar de estar em prisão preventiva.

20h15 – Uma nota do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa informa sobre a passagem a regime de prisão domiciliária, adiantando que o antigo primeiro-ministro vai aguardar os ulteriores termos do processo, “sujeito à medida de coação de obrigação de permanência na habitação” e “bem assim de proibição de contactos de forma direta ou indireta com diversas entidades e pessoas singulares”. Na reapreciação das medidas de coação, José Sócrates não fica sujeito ao uso de pulseira eletrónica. Ministério Público invocou "perigo de fuga e de perturbação do inquérito".

20h42 – O PCP é o primeiro partido a reagir à revisão das medidas de coação de Sócrates pela voz do secretário-geral Jerónimo de Sousa, que defendeu o princípio da separação de poderes e garantiu que o partido não vai fazer aproveitamento político do caso. No arranque da 39.ª edição da Festa do “Avante!”, Jerónimo de Sousa declarou que se está "perante mais um elemento de um processo em investigação, que está em curso", frisando que os comunistas mantêm a postura de defender a "separação de poderes entre justiça e poder político".

20h45 – João Araújo considerou "insuficiente" a alteração de prisão preventiva para prisão domiciliária da medida de coação imposta ao ex-primeiro-ministro e avançou à Lusa que vai recorrer da decisão.

20h53 - O Ministério Público justificou a alteração das medidas de coação a José Sócrates com a diminuição do perigo de perturbação de inquérito. Numa nota da Procuradoria-Geral da República (PGR), lê-se que desde a última reapreciação das medidas de coação, em junho, foram ouvidas cerca de dez pessoas e realizadas mais de 30 diligências de buscas. “O Ministério Público promoveu a alteração da medida de coação, por considerar que, face à prova reunida desde a última reapreciação, se mostra reforçada a consolidação dos indícios, o que diminui o perigo de perturbação do inquérito. Neste período foram ouvidas cerca de dez pessoas e realizadas mais de 30 diligências de buscas”, pode ler-se na nota.

20h53 – O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, recusou comentar a alteração da medida de coação aplicada ao antigo primeiro-ministro no âmbito da Operação Marquês.

21h– Sócrates chegou sorridente e aparentemente descontraído à casa em Lisboa onde vai permanecer em prisão domiciliária, acompanhado pelo advogado João Araújo, que não quis prestar declarações. Alguns populares no local aplaudiram a chegada do ex-primeiro-ministro.


Notícias relacionadas

“Não há factos, não há provas, não há acusação”
Os advogados de José Sócrates consideraram hoje "patético" e "ridículo" o processo-crime contra o ex-primeiro-ministro e alegaram que estão consolidados "os indícios de que não há qualquer razão para suspeita" sobre o ex-líder do PS.
O advogado do ex-primeiro-ministro José Sócrates, João Araújo