Escolha as suas informações

Onda arrasta oito jovens militares na Póvoa do Varzim. Exército abre inquérito
Portugal 2 min. 25.11.2022
Acidente

Onda arrasta oito jovens militares na Póvoa do Varzim. Exército abre inquérito

Uma lancha salva-vidas durante as buscas por uma jovem que continua desaparecida após oito jovens, todos militares do Exército em formação na Escola dos Serviço da Póvoa de Varzim, terem sido arrastados hoje por uma onda na Praia da Lagoa, em Póvoa do Varzim, 25 de novembro de 2022. RUI MANUEL FARINHA / LUSA
Acidente

Onda arrasta oito jovens militares na Póvoa do Varzim. Exército abre inquérito

Uma lancha salva-vidas durante as buscas por uma jovem que continua desaparecida após oito jovens, todos militares do Exército em formação na Escola dos Serviço da Póvoa de Varzim, terem sido arrastados hoje por uma onda na Praia da Lagoa, em Póvoa do Varzim, 25 de novembro de 2022. RUI MANUEL FARINHA / LUSA
Foto: LUSA
Portugal 2 min. 25.11.2022
Acidente

Onda arrasta oito jovens militares na Póvoa do Varzim. Exército abre inquérito

Redação
Redação
Uma jovem de 20 anos que pertencia ao grupo de militares, formandos na Escola dos Serviços do Exército, continua desaparecida.

Oito jovens foram arrastados hoje por uma onda na praia da Lagoa, na Póvoa do Varzim. Um deles - uma rapariga com cerca de 20 anos - ainda se encontra desaparecida no mar.

Os jovens são todos militares do Exército, em formação na Escola dos Serviços da Póvoa de Varzim, revelou a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em comunicado, a AMN refere que "os elementos do Comando-local da Polícia Marítima, da Capitania do Porto e da Estação Salva-vidas da Póvoa de Varzim encontram-se a efetuar buscas por uma jovem de 20 anos, da Escola dos Serviços, do Exército Português, que se encontra desaparecida desde a madrugada de hoje na praia da Lagoa, na Póvoa de Varzim".


Caso Meco. Tribunal absolve Universidade e ex-Dux. Famílias recorrem para o Supremo
As famílias dos jovens responsabilizam o ex-‘dux’ João Gouveia e a Universidade Lusófona pela morte dos seis alunos, em dezembro de 2013, alegando que resultaram de uma praxe e prometem recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça.

De acordo com o mesmo comunicado, a jovem, que continua desaparecida, e que estava acompanhada pelos outros sete miliares, encontrava-se junto à linha de água da praia da Lagoa. Já estes, adianta a Autoridade Marítima Nacional, foram transportados para uma unidade hospitalar pelos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Varzim.   

A AMN refere que recebeu um alerta, pelas 04h48, através do Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), "a dar conta que uma pessoa se encontrava desaparecida na praia da Lagoa, tendo sido ativados para o local os elementos da Polícia Marítima, militares da Capitania e da Estação Salva-vidas da Póvoa de Varzim".

Para o local, diz ainda o comunicado organismo, deslocaram-se os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Varzim e foi ativada uma aeronave da Força Aérea Portuguesa para participar nas buscas.

As operações para encontrar a jovem estão a ser coordenadas pelo Capitão do Porto e Comandante-local da Polícia Marítima da Póvoa de Varzim e Vila do Conde.


Portugal condenado a pagar 13 mil euros a família de estudante morto na tragédia do Meco
Em 2013, seis jovens universitários morreram depois de serem arrastados por uma onda na praia. Estado português é acusado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos de más práticas na investigação.

O responsável pela operação, o comandante da Polícia Marítima da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde, Bruno Ferreira Teles, confirmou à agência Lusa que os sete jovens foram transportados para o Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim, numa ambulância dos bombeiros locais, que lhes prestou os primeiros socorros, adiantando que as buscas vão prolongar-se.

Incidente ocorreu após jovens saírem de estabelecimento de diversão noturna

De acordo com informação avançada pelo Exército, os jovens tinham estado num estabelecimento de diversão noturna antes de terem ido para a beira-mar. 


Mau tempo: Onda gigante arrastou carros e pessoas no Porto (vídeo)
A marginal da Foz do Porto, onde na segunda-feira uma onda de grandes proporções provocou vários feridos e arrastou dezenas de carros, vai ficar cortada ao trânsito até esta terça-feira de manhã, disse à agência Lusa o vereador da Protecção Civil.

“Cerca das cinco da manhã, oito militares, que se encontravam na Póvoa de Varzim, no âmbito da frequência de Cursos de formação na Escola dos Serviços, saíram do estabelecimento de diversão noturna, onde se deslocaram para convívio social, e decidiram ir até junto da linha de água da praia da Lagoa na Póvoa de Varzim”, refere aquele ramo das Forças Armadas, citado pela agência Lusa.

Exército abre processo de averiguações

O Exército anunciou, entretanto, que está prestar apoio psicológico aos sete militares e que já instaurou um processo de averiguações sobre o incidente.

Numa nota enviada à imprensa o Exército “lamenta o sucedido, encontrando-se a prestar apoio psicológico aos militares envolvidos no incidente e aos familiares da militar desaparecida”.

“Foi imediatamente instaurado um processo de averiguações sobre o incidente”, adianta a mesma nota.


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.