Escolha as suas informações

O que escolheu Marcelo para o jantar da noite da sua reeleição
Portugal 2 min. 24.01.2021 Do nosso arquivo online

O que escolheu Marcelo para o jantar da noite da sua reeleição

O que escolheu Marcelo para o jantar da noite da sua reeleição

Portugal 2 min. 24.01.2021 Do nosso arquivo online

O que escolheu Marcelo para o jantar da noite da sua reeleição

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O candidato presidente tinha já escrito três discursos, um para a vitória, outro para a segunda-volta e outro para a derrota. Momentos antes da divulgação das primeiras sondagens Marcelo foi a um restaurante buscar o jantar.

Um bife com ovo a cavalo e arroz. Este é o jantar de Marcelo Rebelo de Sousa para esta noite, sozinho, em sua casa. E foi o próprio Presidente da República que foi buscar o jantar a um restaurante perto da sua casa em Cascais.

Se as sondagens se confirmarem, e costumam estar sempre próximas dos resultados finais, Marcelo Rebelo de Sousa vai vencer estas eleições e ser reeleito.

O candidato a voltar a ocupar a sua cadeira em Belém chegou à porta da sua residência em Cascais, às 19h30, depois de uma longa viagem desde Celorico de Basto onde votou esta manhã.

Chegou sozinho, ao volante do seu automóvel pessoal, um Mercedes utilitário, e pediu um segundo aos jornalistas que o aguardavam à porta de casa, para ir "lá dentro". Logo depois e enquanto voltou ao automóvel para tirar a sua mala de viagem e um guarda-fatos o atual Presidente da República e candidato às presidenciais de 2021 agradeceu "o grande esforço dos portugueses" que foram votar, apesar da pandemia. 

Sobre as projeções da abstenção, poder ser a mais alta de sempre, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que no resultado final tem de se considerar também a taxa de abstenção dos "nossos compatriotas portugueses residentes no estrangeiro". "É preciso fazer a conta ao resultado da abstenção cá dentro e lá fora".

E, não se pode esquecer que nestas eleições muitos emigrantes não puderam votar.

De qualquer modo com estas presidenciais pode "quebrar-se um ciclo", o da taxa de abstenção que era sempre mais elevada nas reeleições. 

Marcelo voltou a referir o "esforço enorme dos portugueses aqui e no estrangeiro".

Apesar do resultado das sondagens perspetivarem que não vai haver necessidade de uma segunda-volta, o candidato Marcelo Rebelo de Sousa ainda considera essa possibilidade "até à divulgação dos resultados oficiais".

Fosse qual fosse o resultado, vitória, segunda volta e derrota este candidato já tinha "todos os discursos escritos", um para cada situação.

"Agora deixem-me ir buscar comida, vou ali a um take-away", pediu Marcelo aos jornalistas. 

Pelas 10h00 da noite irá sair para ir até à Faculdade de Direito de Lisboa onde fará o seu discurso, tal como aconteceu há cinco anos. Ao contrário da noite em que foi eleito Presidente da República, a faculdade estará vazia, apenas alguns jornalistas. Há cinco anos, o recinto estava lotado e a festa fazia-se lá dentro e cá fora. O que hoje será impossível devido à pandemia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A direção da UNITA afirma que recebeu, "escandalizada", com "estupefação" e "desilusão", a declaração do chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitando o candidato do MPLA pela vitória nas eleições gerais de quarta-feira.
Isaias Samakuva, the presidential candidate for the National Union for the Total Independence of Angola (UNITA) casts his vote in Luanda, on August 23, 2017 during the general elections. 
Angolans cast their ballots on August 23 in an election marking the end of President Jose Eduardo Dos Santos's 38-year reign, with his MPLA party set to retain power despite an economic crisis. / AFP PHOTO / AMPE ROGERIO
A afluência às urnas para a eleição do novo Presidente da República era, até às 16h de hoje, de 37,69 por cento, indica a Comissão Nacional de Eleições (CNE). Nas últimas eleições presidenciais, em 23 de janeiro de 2011, à mesma hora, a afluência foi de 35,16 por cento.