Escolha as suas informações

Multas de 10 mil euros e máscaras na rua entre as novas medidas para combater a covid-19 em Portugal
Portugal 3 min. 14.10.2020

Multas de 10 mil euros e máscaras na rua entre as novas medidas para combater a covid-19 em Portugal

Multas de 10 mil euros e máscaras na rua entre as novas medidas para combater a covid-19 em Portugal

Foto: AFP
Portugal 3 min. 14.10.2020

Multas de 10 mil euros e máscaras na rua entre as novas medidas para combater a covid-19 em Portugal

Lusa
Lusa
Eventos e ajuntamentos são outras das situações visadas nas medidas que entram, esta quinta-feira, em vigor e que duram, pelo menos, até 31 de outubro.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta quarta-feira, 14 de outubro, que vai ser elevado o nível de alerta para situação de calamidade no território nacional, uma decisão acompanhada por um conjunto de novas medidas, visando travar a expansão da pandemia.

A partir da meia-noite desta quinta-feira e até 31 de outubro, o território nacional passa todo a estar em situação de calamidade, uma subida do nível de alerta uma vez que até hoje o país estava em situação de contingência.

A situação de calamidade é o nível máximo de intervenção previsto na Lei de Bases de Proteção Civil.


Covid-19. Portugal entra em situação de calamidade em todo o país
Governo proíbe festejos académicos e agrava coimas para comércio e restauração, estão ainda proibidos ajuntamentos de mais de cinco pessoas na rua e de 50 em eventos familiares.

António Costa explicou que o objetivo desta decisão é possibilitar “tomar as medidas que se justifiquem sempre que necessário, desde as restrições de circulação a outras medidas que em concreto se venham localmente a considerar".

Proibição de ajuntamentos de mais de 5 pessoas

Com a entrada em vigor da situação de calamidade, passam a ser proibidos os ajuntamentos na via pública de mais de cinco pessoas.

Esta limitação, de acordo com o chefe do executivo, também se aplica a outras espaços de uso público de natureza comercial ou na restauração, com exceção de se tratar de coabitantes.

Casamentos, batizados e outras festas familiares com limite de 50 pessoas 

Os eventos de natureza familiar, como casamentos, batizados e outros, que sejam marcados a partir desta data, estão limitados a um máximo de 50 participantes.

O primeiro-ministro sublinhou que, nesses mesmos eventos familiares, “todos terão de cumprir as normas de afastamento físico e de proteção individual, como seja o uso de máscara".

Festejos académicos impedidos 

Nas universidades e politécnicos passa a não ser permitido "realizar festejos académicos e atividades de caráter não letivo ou científico".

António Costa referiu que têm que se “evitar a todo o custo” cerimónias de receção de caloiros e outro tipo de festejos que implicam ajuntamentos para que não se repitam circunstâncias que já se verificaram de contaminação em eventos desta natureza.

Mais fiscalização e coimas mais pesadas para incumprimento em lojas e restaurantes

O Governo quer que as forças de segurança e à ASAE reforcem as ações de fiscalização do cumprimento das regras, quer na via pública quer nos estabelecimentos comerciais e de restauração.

No caso de haver incumprimento, especialmente nas lojas, restaurantes ou outros espaços de restauração, foi decidido o agravamento até 10 mil euros das coimas aos estabelecimentos que “não assegurem o escrupuloso cumprimento das regras em vigor quanto à lotação e ao afastamento necessário”.

Máscaras na via pública e  app stayaway covid: entre o apelo e a obrigatoriedade 

Entre as medidas para combater a pandemia, o primeiro-ministro começou por “recomendar vivamente a todos os cidadãos o uso de máscara comunitária na via pública sempre que haja outras pessoas na via pública e também a utilização da aplicação stayaway covid e a comunicação através desta aplicação sempre que haja um teste positivo”.

No ponto seguinte dos anúncios veio a proposta de lei, que o Governo fará chegar ao Parlamento, para que seja obrigatório o uso de máscara na via pública e a utilização da aplicação stayaway covid em contexto laboral e escolar.

Assim, de acordo com António Costa, o executivo vai pedir a parlamento “uma tramitação de urgência para que seja imposta a obrigatoriedade de uso da máscara na via pública - com o óbvio bom senso de só nos momentos em que há mais pessoas na via pública - e também da utilização da aplicação stayaway covid em contexto laboral, escolar e académico, nas Forças Armadas e nas Forças de Segurança e no conjunto da administração pública”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas