Escolha as suas informações

Motorista envolvido no incidente com passageira na Amadora foi agredido
Portugal 25.01.2020 Do nosso arquivo online

Motorista envolvido no incidente com passageira na Amadora foi agredido

Motorista envolvido no incidente com passageira na Amadora foi agredido

Foto: Lusa
Portugal 25.01.2020 Do nosso arquivo online

Motorista envolvido no incidente com passageira na Amadora foi agredido

Lusa
Lusa
O motorista foi transportado para o hospital Amadora-Sintra com ferimentos de alguma gravidade.

O motorista da empresa Vimeca que no domingo chamou um agente da PSP, após desentendimentos com uma passageira (Cláudia Simões), foi agredido “com alguma gravidade” na noite de sexta-feira em Massamá, concelho de Sintra (Lisboa), disse à Lusa fonte policial.

A agressão desta noite ocorreu quando o motorista estacionou o autocarro na paragem de Massamá e se preparava para fazer um novo percurso.

“Não houve recurso a arma branca nem de fogo, mas, sim, força física”, adiantou à Lusa o intendente Nuno Carocha.

O motorista foi transportado para o hospital Amadora-Sintra com ferimentos de “alguma gravidade”, acrescentou.

A PSP encontra-se no local e “já referenciou algumas pessoas”, adiantou o porta-voz.

No domingo, Cláudia Simões, de 42 anos e mãe de quatro filhos, foi detida numa paragem de autocarro, na Amadora, depois de um desentendimento com o motorista do autocarro, hoje agredido, supostamente porque a filha não transportava o passe.


Espancada porque filha se esqueceu do passe
Cláudia Simões descreveu ao Contacto a noite de horror que viveu nas mãos da polícia, na Amadora, depois da filha de oito anos se ter esquecido do passe em casa.

Segundo o relato de Cláudia Simões, o motorista chamou um agente da PSP que ali passava, tendo sido abordada “agressivamente” e o seu telemóvel foi atirado para o chão.

A mulher, que, entretanto, foi constituída arguida, contou que sofreu agressões num carro da PSP, onde garante ter sido esmurrada e alvo de ofensas verbais antes de ser assistida no hospital Fernando Fonseca, na Amadora.

Na quarta-feira o ministro da Administração Interna (MAI) ordenou a abertura de um inquérito sobre a atuação policial no caso da detenção de Cláudia Simões que resultou numa denúncia contra o polícia de serviço.


Comissão contra discriminação racial participa ao MP de sindicato da PSP
Em causa está uma publicação do Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública nas redes sociais que mostrava uma fotografia das mãos com ferimentos ligeiros do polícia que alegadamente agrediu Cláudia Simões e que insinuava que a mulher agredida teria doenças graves.

Vários partidos já pediram esclarecimentos ao MAI sobre a atuação policial nesta situação e na segunda-feira a PSP já tinha anunciado a abertura de um processo de averiguações na sequência da denúncia apresentada pela mulher contra o polícia.


Notícias relacionadas