Escolha as suas informações

Morte de Giovani. PJ desmente teoria de que terá sido grupo de etnia cigana a atacar o jovem
Portugal 18.01.2020

Morte de Giovani. PJ desmente teoria de que terá sido grupo de etnia cigana a atacar o jovem

Morte de Giovani. PJ desmente teoria de que terá sido grupo de etnia cigana a atacar o jovem

Foto: LUSA
Portugal 18.01.2020

Morte de Giovani. PJ desmente teoria de que terá sido grupo de etnia cigana a atacar o jovem

Informação foi veiculada, num programa de TV, por Carlos Anjos, presidente da Comissão de Proteção de Vítimas de Crimes e ex- elemento da PJ.

O jovem cabo-verdiano, Giovani Rodrigues, não foi morto por um grupo de etnia cigana. A informação, que foi veiculada, durante a semana por Carlos Anjos, presidente da Comissão de Proteção de Vítimas de Crimes e ex- elemento da PJ, num programa da CMTV, é desmentida pela Polícia Judiciária.

"Os agressores não são um grupo de ciganos. Não há um grupo de ciganos. Ponto", afirmou, esta sexta-feira, ao DN, fonte da Direção Nacional da Polícia Judiciária, que anunciou no mesmo dia, de manhã, a detenção de cinco homens, entre os 22 e os 35 anos, como suspeitos do homicídio qualificado do jovem, que estudava em Bragança e foi atacado, depois de uma saída noturna, a um bar daquela cidade, no dia 21 de dezembro.


Tribunal decreta prisão preventiva para os cinco suspeitos da morte de Giovani
Os cinco suspeitos, com idades entre os 22 e os 35 anos, foram detidos pela Polícia Judiciária na quinta-feira. Autoridades afastam motivação do crime por ódio racial.

"Foi uma desavença entre clientes de um bar discoteca que degenerou em dois momentos de confronto. O último confronto, desproporcional e com violência desnecessária e despropositada", frisou a mesma fonte. 

A mesma tese foi confirmada pelo tribunal, na sexta-feira à noite, quando divulgou as medidas de coação para os cinco suspeitos da morte de Giovani Rodrigues, afastando a motivação por ódio racial.

Os indivíduos vão aguardar julgamento em prisão preventiva e estão indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio.

AT