Escolha as suas informações

MNE: Integração de portugueses no estrangeiro é um bom caso de estudo
Portugal 29.12.2016

MNE: Integração de portugueses no estrangeiro é um bom caso de estudo

O ministro dos Negócios Estrangeiros aponta o exemplo das comunidades portuguesas em países como França, Suíça ou o Luxemburgo

MNE: Integração de portugueses no estrangeiro é um bom caso de estudo

O ministro dos Negócios Estrangeiros aponta o exemplo das comunidades portuguesas em países como França, Suíça ou o Luxemburgo
Foto: Lusa
Portugal 29.12.2016

MNE: Integração de portugueses no estrangeiro é um bom caso de estudo

O ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva disse hoje que a integração dos portugueses em países estrangeiros, nomeadamente em países como França e o Luxemburgo, é um bom caso de estudo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva disse hoje que a integração dos portugueses em países estrangeiros, nomeadamente em países como França e o Luxemburgo, é um bom caso de estudo.

"A integração das comunidades portuguesas nas respetivas sociedades de acolhimento, quer na Europa, quer nas Américas e em África, mas sobretudo na Europa, é um caso exemplar que deveria ser estudado, num momento em que nós nos confrontamos tanto com problemas de integração e de relacionamento entre nacionais e estrangeiros por essa Europa fora", disse Augusto Santos Silva.

Em declarações aos jornalistas, em Coimbra, à margem do 5º fórum anual dos Graduados Portugueses no Estrangeiro, o ministro dos Negócios Estrangeiros frisou que os portugueses mostram, em países como França, Luxemburgo, Suíça, Reino Unido ou Alemanha, "que se integram bem nas sociedades que os acolhem".

"Como não colocam nenhum problema à ordem constituída dessas sociedades, como contribuem para a economia dessas sociedades, sem ao mesmo tempo perderem nenhuma das ligações profundas que têm com Portugal. E, portanto, é um bom caso de estudo", afirmou o governante.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, na mesma reunião, que os cientistas e investigadores portugueses no estrangeiro são embaixadores "particularmente qualificados" de Portugal no mundo e Augusto Santos Silva estendeu essa 'função' de embaixador aos emigrantes portugueses e lusodescendentes.

"Os 2,3 milhões de portugueses nascidos em Portugal que vivem hoje no estrangeiro são também todos eles embaixadores e bons embaixadores de Portugal, no sentido em que mostram com todo o seu trabalho, o seu esforço, o seu empenhamento, as melhores qualidades que os portugueses têm e os cinco milhões portugueses e lusodescendentes que vivem no estrangeiro também o fazem", sustentou.

"Nós temos muita gente lá fora que engrandece o nome de Portugal pela maneira empenhada como trabalha e como se integra nas sociedades de acolhimento", reforçou Santos Silva.

(Lusa)


Notícias relacionadas

António Gamito, novo embaixador de Portugal: "Votar nas comunais já é um passo importante"
Recém-chegado ao Grão-Ducado, mas com muita experiência internacional, António Gamito não considera que o voto nas legislativas para os estrangeiros seja um tema do momento. Quanto à questão da indexação salarial para os funcionários, refere que vai “tentar resolver com Lisboa”. E, além da proximidade que pretende manter com a comunidade portuguesa, vem preparado para reforçar o relacionamento bilateral.
Entrevista ao embaixador do Luxemburgo em Lisboa: "Fiquei marcado pela gentileza dos portugueses"
Desde setembro do ano passado como embaixador do Luxemburgo em Lisboa, Jean-Jacques Welfring confessa que não se sente a viver no estrangeiro, tal a forma como foi bem recebido. Considerando privilegiadas as relações entre as autoridades, lembra as bem sucedidas visitas de Estado, destaca a coragem do povo e sublinha a importância da comunidade portuguesa, sem esquecer a cooperação e a forte presença cabo-verdiana.
Jean-Jacques Welfring é o embaixador do Luxemburgo em Lisboa deste setembro do ano passado.