Escolha as suas informações

Marcelo. O Presidente da sandes de queijo e da meditação transcendental
Portugal 4 min. 23.05.2019 Do nosso arquivo online

Marcelo. O Presidente da sandes de queijo e da meditação transcendental

Marcelo. O Presidente da sandes de queijo e da meditação transcendental

Foto: Lusa
Portugal 4 min. 23.05.2019 Do nosso arquivo online

Marcelo. O Presidente da sandes de queijo e da meditação transcendental

O Presidente da República Portuguesa é um ser noctívago. Começa a trabalhar à meia-noite, pratica ioga e anda quilómetros todos os dias todos os dias à noite. Esteja onde estiver. Rotinas, vícios e manias revelados pelo próprio Marcelo Rebelo de Sousa, em conversa no site português o Observador, até agora desconhecidos.

 O almoço preferido do Presidente português? Uma sandes de queijo e um sumo de ananás, num banco de jardim, ao sol. Foi o próprio quem contou numa entrevista que deu ao Observador, por ocasião do 5º aniversário do site e onde Marcelo Rebelo de Sousa revelou detalhes da sua vida privada, que ainda permaneciam secretos, quando já se julgava saber muito sobre os hábitos do presidente.

Que o antigo professor universitário costuma tomar banhos de mar, seja verão ou inverno, é já conhecido e ainda hoje, sempre que pode – não tanto como antigamente – é vê-lo de manhã cedo, na praia de Cascais, onde mora, a caminhar em direção ao mar para um bom mergulho. Mesmo de inverno. Aliás, Marcelo Rebelo de Sousa tem um ritual que faz questão de cumprir religiosamente. A 24 de dezembro, antes da consoada vai dar um mergulho ao mar, na sua praia.

Que é católico praticante e vai à missa aos domingos, também é facto conhecido do presidente português. Mais uma vez, sempre que a agenda da Presidência da República o permite, o mais alto governante assiste à celebração religiosa na Igreja da nossa Senhora dos Navegantes, na sua vila.

Toda a gente sabe que o presidente adora os gelados da Santini, a gelataria também de Cascais e mesmo quando vai de férias para o Algarve, no verão, abastece-se de alguns quilos de gelados desta casa, que vão bem conservados, numa geleira para ir saboreando a sul.

Mas, ao Observador o Presidente da República revelou outros rituais até agora mantidos no foro privado. As respostas foram dadas a perguntas feitas por leitores daquele site informativo e selecionadas pelo Observador.

Um dos prazeres que mais poderá surpreender é o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ser praticante de “ioga e meditação transcendental”.

Ao Observador, revelou um “daqueles ótimos” exercícios: “A temperatura baixa de tal maneira que a pessoa tem de pôr uma manta, porque se trata de fixar um ponto, deixar fluir a vida como um rio, não prender nada e abstrair-se por completo. Fica-se a tiritar de frio porque a temperatura do corpo fica muito baixa”,

Para este homem, de 70 anos, que ocupa o mais alto cargo da nação, “o dia começa à meia-noite — e o meu começa certamente à meia-noite”, disse. A primeira tarefa é a leitura dos telegramas diplomáticos “que são centenas, mas dão um retrato magnífico do mundo, pela mão dos nossos magníficos diplomatas”.

Mas antes de começar o ‘dia’ com noite cerrada, Marcelo Rebelo de Sousa faz questão de jantar e de jantar bem.

“Janto bem, é a minha grande refeição porque depois tenho de estar acordado até muito tarde. Tenho jantares políticos que normalmente não se tem, aceito convites. Isto é, digamos, um modelo com desvios muito frequentes porque é muito frequente ter cerimónias que engrenam umas nas outras em vários pontos do país ou ter de vir do estrangeiro diretamente para o Porto sem passar por Lisboa”.

E depois de jantar tem por hábito fazer uma boa caminhada: “Janto, muitas vezes tenho jantares oficiais, e onde quer que me encontre vou fazer quatro quilómetros em média. Se for em Moscovo é em Moscovo, se for em Pequim é em Pequim, se for em Washington é em Washington”.

Hábito que por vezes, traz “complicações”. Em Portugal, a caminhada é feita habitualmente “na zona de Belém, [sentido] Belém-Algés” ou “Cascais-Estoril, ida e volta, uma coisa desse género”, conta.

Se o jantar é a principal refeição, como é o almoço do presidente? “Não almoço sempre que posso. Infelizmente, nem sempre me permito a esse luxo e tenho de almoçar, o que é muito inibidor porque gosto de marcar reuniões ou audiências, de aproveitar a hora de almoço”.

De seguida desvenda o que para si é um almoço ideal. Mais simples seria impossível: “O meu sonho é almoçar num banco de jardim que tenha sol praticamente toda a manhã e boa parte da tarde. Dá para comer a sanduíche de queijo e beber o sumo de ananás”.

Já a noite vai longa e Marcelo Rebelo de Sousa respondeu “ao maior número de e-mails possível” que recebe – “a melhor hora para fazer isso é algures entre as 2h e as 3h ou 3h e tal da manhã” – leu “relatórios” entre outras tarefas, pega então num livro e prepara-se para adormecer.

“O dia seguinte já está largamente preparado. Já sei o que se passa no mundo, porque já li os jornais online mais importantes e tudo isto é feito a acompanhar o que se passa televisivamente, as notícias de último hora que surgem, nacionais ou internacionais”, explicou o presidente contando ainda que houve tempo para deixar “recados” mesmo a quem está a dormir, “por outras formas que hoje as tecnologias permitem”, lembrou ao Observador. Já é do conhecimento público que ao presidente dos portugueses bastam poucas horas de sono para uma noite bem dormida.

Paula Santos Ferreira

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas