Escolha as suas informações

Marcelo confirma presença na tomada de posse de Bolsonaro
Portugal 08.12.2018 Do nosso arquivo online

Marcelo confirma presença na tomada de posse de Bolsonaro

Marcelo confirma presença na tomada de posse de Bolsonaro

Foto: Tiago Petinga/Lusa
Portugal 08.12.2018 Do nosso arquivo online

Marcelo confirma presença na tomada de posse de Bolsonaro

A Presidência da República confirmou hoje que o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente na posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil, no dia 1 de janeiro, em Brasília.

"Na sequência do convite da República Federativa do Brasil, o Presidente da República representará Portugal em Brasília, no dia 01 de janeiro de 2019, na cerimónia de tomada de posse do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro", lê-se numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha anunciado no dia 30 de novembro que em princípio iria à posse de Jair Bolsonaro, durante uma visita ao Bazar Diplomático, no Centro de Congressos de Lisboa. "Em princípio, vou à posse", afirmou, na altura, em conversa com o embaixador do Brasil em Portugal, Luiz Alberto Figueiredo Machada.

No dia 29 de outubro, um dia após a eleição de Jair Bolsonaro, o chefe de Estado português defendeu que Portugal e o Brasil "têm de se dar bem" e disse esperar "um trabalho em conjunto a nível de chefes de Estado" durante o mandato do novo Presidente brasileiro.


TOPSHOT - Jair Bolsonaro, far-right lawmaker and presidential candidate for the Social Liberal Party (PSL), gestures to supporters during the second round of the presidential elections, in Rio de Janeiro, Brazil on October 28, 2018. - Brazilians will choose their president today during the second round of the national elections between the far-right firebrand Jair Bolsonaro and leftist Fernando Haddad (Photo by MAURO PIMENTEL / AFP)
PSD quer que Portugal mantenha "ótimas relações" com Bolsonaro
"Ganhasse quem ganhasse, Haddad ou Bolsonaro, Portugal deve manter ótimas relações com o Estado brasileiro, independentemente de quem é o seu Presidente", defendeu o dirigente do PSD Tiago Moreira de Sá. "Portugal tem de ter uma boa relação com a atual presidência do Brasil", acrescentou o professor universitário, doutorado em História das Relações Internacionais.

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, de 63 anos, capitão do Exército brasileiro na reforma, filiado no Partido Social Liberal (PSL), foi eleito o 38º Presidente da República Federativa do Brasil, com 55,1% dos votos, na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras, no dia 28 de outubro. No Luxemburgo, o candidato da extrema-direita venceu com 54,7% dos votos

O seu adversário, Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), obteve 44,9% dos votos, e a abstenção registada foi de 21,3%, num universo de cerca de 147,3 milhões de eleitores inscritos, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil.


Um fascista no poder
Não pode haver meias palavras com aquilo que se passou no Brasil: eleger Jair Bolsonaro representa um perigoso retrocesso não só para o povo brasileiro, mas para a América Latina.



Notícias relacionadas

"Ganhasse quem ganhasse, Haddad ou Bolsonaro, Portugal deve manter ótimas relações com o Estado brasileiro, independentemente de quem é o seu Presidente", defendeu o dirigente do PSD Tiago Moreira de Sá. "Portugal tem de ter uma boa relação com a atual presidência do Brasil", acrescentou o professor universitário, doutorado em História das Relações Internacionais.
TOPSHOT - Jair Bolsonaro, far-right lawmaker and presidential candidate for the Social Liberal Party (PSL), gestures to supporters during the second round of the presidential elections, in Rio de Janeiro, Brazil on October 28, 2018. - Brazilians will choose their president today during the second round of the national elections between the far-right firebrand Jair Bolsonaro and leftist Fernando Haddad (Photo by MAURO PIMENTEL / AFP)
O juiz Sérgio Moro que instruiu o processo de Lula e depois o colocou na prisão em tempo recorde, impedindo-o de poder concorrer às eleições, desejou uma excelente presidência ao eleito da extrema-direita. Recorde-se que o procurador que lançou a Lava Jato, Rodrigo Janot, e o homem que teve à frente do processo Mensalão, que condenou dirigentes do PT, Joaquim Barbosa apoiaram nos últimos dias o candidato do PT, Haddad.
Apesar do seu apoio público à tortura e à ditadura militar, o candidato de extrema-direita conta com a cumplicidade dos partidos de centro que governam o Brasil, pois estes preferem um candidato que promete metralhar os opositores a terem novo governo do PT.
A última sondagem no Brasil revela que o candidato da extrema-direita perde com todos na segunda volta e que 33% dos apoiantes de Lula prontificam-se a seguir as indicações de voto deste, na semana em que o PT formaliza Haddad como candidato.