Escolha as suas informações

Madeira. 29 pessoas morreram e quatro estão nos cuidados intensivos
Portugal 8 3 min. 17.04.2019

Madeira. 29 pessoas morreram e quatro estão nos cuidados intensivos

Madeira. 29 pessoas morreram e quatro estão nos cuidados intensivos

Foto: AFP
Portugal 8 3 min. 17.04.2019

Madeira. 29 pessoas morreram e quatro estão nos cuidados intensivos

Todas as vítimas mortais são de nacionalidade alemã e os dois únicos portugueses encontram-se estáveis e fora de perigo. As causas do acidente ainda estão por apurar.

(Notícia atualizada a 18 de abril de 2019, às 19:00)

Esta quarta-feira à noite, um autocarro de turismo despistou-se na estrada do Caniço de Baixo, no concelho de Santa Cruz, e caiu sobre uma habitação. O alerta foi dado pelas 18h30 (19h30 no Luxemburgo). 28 pessoas morreram no local, tendo uma senhora acabado por morrer nos cuidados intensivos do Funchal.  As vítimas mortais eram todas de nacionalidade alemã e tinham entre os 40 e os 50 anos. No total, são 11 homens e 18 mulheres. Os dois únicos cidadãos portugueses envolvidos no acidente - o motorista e a guia turística - já foram operados e encontram-se fora de perigo.

Em conferência de imprensa, a equipa médica confirmou que nove feridos já tiveram alta e quatro estão internados nos cuidados intensivos hospitalares. Os restantes 14 continuam nos serviços de ortopedia, nos cuidados intermédios e alguns em observação nas urgências, no Hospital Dr. Nélio Mendonça. Cinco pessoas foram submetidas a intervenções cirúrgicas.


Acidente na Madeira. Merkel exprime "tristeza e choque" e agradece trabalho dos socorristas
Acidente fez pelo menos 29 vítimas mortais, a maioria alemãs.

O autocarro transportava 55 passageiros, a maior parte turistas alemães. O grupo tinha saído do hotel Quinta Splendida e estava a caminho de um restaurante no Livramento, no Funchal, para um jantar tipicamente madeirense. As causas do acidente ainda estão por apurar. Segundo o jornal Expresso, o motorista do autocarro não tinha álcool no sangue. Suspeita-se que as causas do acidente estejam ligadas a um problema mecânico, mais concretamente com os travões do autocarro.


Acidente na Madeira. “Agachámo-nos como bebés. E foi a nossa sorte”
O relato de um casal de turistas alemães que sobreviveu à queda do autocarro na Madeira.

“Penso que os travões não funcionaram. Não consigo imaginar outra razão. O autocarro partiu de Quinta Splendida e, após alguns segundos, começou a andar cada vez mais depressa. Bateu contra o muro, pensámos imediatamente que estava descontrolado. Ia cada vez mais rápido e depois saltou…”, conta um turista que ficou com uma costela partida ao Notícias ao Minuto. A sua mulher tem apenas o pescoço dorido. Acredita que o que lhes pode ter salvo foi o que aprenderam na viagem de avião para a Ilha da Madeira. “No avião, explicaram-nos como fazer …. Agachámo-nos como bebés (posição fetal). E foi a nossa sorte”. O casal afirma ter visto algumas pessoas voarem pela janela, mas apesar do horror que viveram, estão gratos por terem sobrevivido.“Estamos vivos e estamos juntos. Muitas pessoas perderam os maridos ou as mulheres. Algumas pessoas não sabem se o cônjuge está vivo ou não”.


Madeira. Câmaras registam momento da queda do autocarro
As imagens foram registadas por câmaras de videovigilância de um estabelecimento próximo do local.

O Governo da Madeira decretou três dias de luto regional, a partir de quinta-feira e até sábado, na sequência do acidente. O Ministério Público (MP) determinou a abertura de um inquérito para averiguar as causas do acidente. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já expressou as condolências ao governo alemão e mobilizou meios a Força Aérea para auxiliar no transporte dos feridos.

O porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, lamentou as "notícias terríveis" através da rede social Twitter e manifestou "uma dor profunda por todos aqueles que perderam a vida na queda do autocarro".

Para o primeiro-ministro português António Costa, a prioridade é tratar dos feridos, assegurar rápida assistência às famílias das vítimas e esclarecer as causas do acidente.  

Lusa


Notícias relacionadas