Escolha as suas informações

Portugueses em França dizem-se esquecidos pela campanha eleitoral
Portugal 3 min. 24.01.2022
Eleições legislativas

Portugueses em França dizem-se esquecidos pela campanha eleitoral

Eleições legislativas

Portugueses em França dizem-se esquecidos pela campanha eleitoral

Foto: Lusa
Portugal 3 min. 24.01.2022
Eleições legislativas

Portugueses em França dizem-se esquecidos pela campanha eleitoral

Lusa
Lusa
Falta de representatividade, de informação sobre os candidatos e sobre o que defendem para as comunidades portuguesas são as principais queixas.

Os portugueses em França dizem sentir-se esquecidos na campanha eleitoral, com muitos eleitores a denunciarem pouca informação sobre candidatos e programas, assim como falta de representatividade sem cabeças de lista dos maiores partidos a virem da comunidade.

"Os partidos vão gastar cerca de sete milhões de euros nesta campanha e eu gostaria que cada partido tornasse público quais foram as verbas que aplicaram para os dois círculos da emigração e que depois fizéssemos a divisão pelo número de eleitores. Parece-me que o investimento quase inexistente", afirmou Rui Ribeiro Barata, conselheiro das Comunidades Portuguesas em Estrasburgo, em declarações à agência Lusa.

Os portugueses registados nos consulados em França estão a receber corretamente os seus boletins de voto pelo correio, mas questionam-se sobre o investimento dos diferentes partidos políticos na campanha eleitoral, já que muitos se queixam nas redes sociais e entre os seus pares de falta de informação para escolher entre as diferentes formações políticas.


Legislativas. Mulheres dominam candidaturas dos principais partidos pelo círculo da Europa
Das nove forças ou coligações partidárias com assento parlamentar que concorrem ao círculo da Europa seis têm cabeças de lista do sexo feminino.

"As cartas estão a chegar ao domicílio dos portugueses e esta semana tive um telefone de uma portuguesa a dizer que não sabia em quem votar porque não tem qualquer informação sobre o que cada lista propõe", relatou o conselheiro.

Também Isabel Sousa Cardoso, dirigente da Associação Cultural Portuguesa de Estrasburgo, referiu que "a campanha é inexistente" e queixa-se que nem nos debates em Portugal se fala dos emigrantes e dos seus problemas.

"Cinco milhões de portugueses fora de Portugal pouco ou nada são mencionados"

"A campanha eleitoral está a ser quase inexistente e na campanha em Portugal pouco se fala da emigração. Quando se assiste aos debates, os cinco milhões de portugueses fora de Portugal pouco ou nada são mencionados. Isso é pena", lamentou a dirigente associativa, que integra também o PSD em França.

Para Isabel Sousa Cardoso, a covid-19 não deve ser desculpa para a falta de campanha nos círculos da Europa e fora da Europa, já que há outras formas de chegar aos eleitores. "A covid é uma desculpa esfarrapada [para a falta de campanha]. Quem quer chegar às pessoas chega, através das redes sociais, panfletos, e-mails", indicou.

No entanto, estas eleições legislativas antecipadas só vieram agravar queixas antigas da comunidade, como a falta de representatividade na Assembleia da República e no próprio Governo.

"As pessoas não compreendem porque é só podemos eleger quatro deputados. A pergunta que me colocam é também porque é que não há um ou uma secretária de Estado oriunda das comunidades", disse Isabel Barradas, funcionária consular em Bordéus, que integra a Comissão Política Nacional do PS.

Constam das listas eleitorais para o escrutínio de 30 de janeiro no círculo da Europa 926.312 eleitores e 595.478 no círculo fora da Europa, um número que aumentou exponencialmente após o recenseamento automático dos portugueses no estrangeiro, em 2018. Apesar disso, estes dois círculos só elegem dois deputados cada, uma discrepância face a outros círculos em Portugal com menos população que elegem mais deputados.

"Esta fórmula de quatro deputados no estrangeiro vem de 1978, todos os círculos eleitorais em Portugal sofrem atualizações mediante os censos, exceto os círculos da emigração", lamentou Rui Ribeiro Barata, dando voz a uma reivindicação antiga do Conselho das Comunidades Portuguesas.


Mais funcionários nos consulados e mais ensino do português. As propostas dos emigrantes para as legislativas
Com a realização das eleições a pouco mais de um mês, movimento de emigrantes apresenta aos partidos os problemas e as reivindicações para melhorar a vida dos portugueses que vivem no estrangeiro.

Para Isabel Sousa Cardoso, o problema é também a falta de candidatos, especialmente cabeças de lista, oriundos das comunidades, tendo em conta que França, por exemplo, tem milhares de eleitos a nível local e regional de origem portuguesa.

"Então os portugueses têm qualidade para ser eleitos cá fora, mas não para serem eleitos em Portugal? Nós temos gente com muito talento e boa vontade", afirmou a dirigente associativa.

Mesmo pertencendo à secção do PSD em França, Isabel Sousa Cardoso considera que há uma "desilusão" quando o seu próprio partido não ouve as suas estruturas nas comunidades e não leva em conta as propostas para candidatos vindos de pessoas que estão emigradas ou portugueses nascidos noutros países. "Esses candidatos ficam em número dois ou suplentes, isso não dá motivação para ir votar", lamentou.

Para Isabel Barradas, é também necessário haver mais portugueses das comunidades nas estruturas internas dos partidos, de forma a mudar a atual lógica de nomeação dos candidatos.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Apesar dessa subida, a comunidade portuguesa em França queixou-se, este fim de semana, de falta de informação e desleixo das autoridades portuguesas face às eleições presidenciais num momento em que a rede associativa está parada devido ao vírus.
Mélissa da Silva nasceu em Paris, filha de portugueses de Viana do Castelo, há 28 anos. É licenciada em Marketing e Relações Públicas e está a trabalhar na área do marketing. Prefere não expor aspetos da sua vida pessoal. Defende a sua convicção de que é possível fazer muito mais pela comunidade portuguesa no estrangeiro. Para Mélissa da Silva, o fato de ser ela própria filha de emigrantes, e sempre ter vivido entre França e Portugal, dá-lhe uma perspetiva sobre viver no estrangeiro que os outros candidatos não terão. Por falta de disponibilidade para uma conversa telefónica, a candidata do CDS às eleições legislativas do próximo dia 6 de Outubro preferiu dar entrevista por email. Daí as suas respostas serem muito mais sucintas que as dos outros entrevistados, fato a que o Contacto é alheio.