Escolha as suas informações

Líder do CDS apela ao voto em segurança e que “combatam a abstenção”
Portugal 2 min. 24.01.2021

Líder do CDS apela ao voto em segurança e que “combatam a abstenção”

Líder do CDS apela ao voto em segurança e que “combatam a abstenção”

LUSA
Portugal 2 min. 24.01.2021

Líder do CDS apela ao voto em segurança e que “combatam a abstenção”

Lusa
Lusa
O presidente do CDS-PP apelou este domingo aos portugueses para que exerçam o direito de voto nas eleições presidenciais, e que o façam em segurança, salientando que este ato eleitoral é “crucial” para Portugal e para o futuro coletivo.

“Eu apelo às pessoas que combatam no dia de hoje o vírus, cumprindo todas as regras e procedimentos de saúde pública para exercer o seu direito ao voto, mas combatam também a abstenção, que é um inimigo das democracias e que dá aos nossos adversários, aqueles que pensam diferente de nós a possibilidade de escolher por nós próprios”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos.

O líder centrista falava aos jornalistas na Escola Secundária do Lumiar, em Lisboa, onde votou pouco antes das 10:00.

O presidente do CDS-PP realçou que “estas eleições presidenciais são um ato crucial” para o país e para o “futuro coletivo”, devido à crise pandémica provocada pela covid-19, mas também pela “instabilidade governativa que o país vive”, bem como “a crise social e económica” que Portugal terá de “ultrapassar nos próximos tempos”.


Eleitores aguardam numa fila no interior da Escola Secundária António Damásio em Lisboa, 24 de janeiro de 2021.
Presidenciais. Abertura das mesas com algumas filas devido aos votos antecipados
As mesas de voto para as eleições presidenciais abriram este domingo às 08:00, mas em algumas zonas do país a descarga dos votos antecipados atrasou o início da votação, levando à formação de filas, disse fonte da CNE.

“O Presidente da República, através da sua magistratura de influência, é alguém que pode ajudar a que Portugal tenha a capacidade de mobilizar os portugueses para vencer os desafios que temos pela frente”, frisou.

Depois de ter exercido o seu direito de voto, Francisco Rodrigues dos Santos observou que “a afluência a estas horas da manhã tem sido ligeiramente superior àquilo que costuma ser o padrão na Escola Secundária do Lumiar”, defendendo que isso “é encorajador”.

“Daquilo que eu pude percecionar, de facto, estavam cumpridas as regras de segurança, o ato eleitoral decorria com a celeridade possível, não concentrando pessoas e as regras e as etiquetas respiratórias estavam a ser cumpridas pela esmagadora maioria, para não dizer a totalidade dos eleitores presentes”, acrescentou.

Na ótica do líder centrista, “é um bom prenúncio para o ato eleitoral” de hoje.

“Sendo certo que o escrutínio, a fiscalização, o planeamento e a organização, esses, claro, decorrerão durante o dia, e espero que já tenham sido atempadamente previstos para facilitar o exercício do direito ao voto e proteger todos os portugueses”, salientou ainda.

Portugal elege hoje o 20.º Presidente da República e o sexto em democracia. Para o sufrágio estão inscritos 10.865.010 eleitores, mais 1.208.536 do que nas eleições presidenciais de 2016.

Os sete candidatos aparecem no boletim de voto pela seguinte ordem: Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP), Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

As assembleias de voto para as eleições presidenciais abriram às 08:00 em Portugal Continental e na Madeira, encerrando às 19:00. Nos Açores abriram e encerram uma hora mais tarde devido à diferença horária.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas