Escolha as suas informações

João Rendeiro vai continuar preso
Portugal 2 min. 17.12.2021 Do nosso arquivo online
Julgamento

João Rendeiro vai continuar preso

Julgamento

João Rendeiro vai continuar preso

Foto: Lusa
Portugal 2 min. 17.12.2021 Do nosso arquivo online
Julgamento

João Rendeiro vai continuar preso

Redação
Redação
A "África do Sul não pode dar-se ao luxo de ser um santuário para fugitivos", afirmou o juiz.

O ex-banqueiro português João Rendeiro vai mesmo passar o Natal na prisão de Westville, na África do Sul, onde se encontra a ser julgado por crimes de burla qualificada. O juiz sul-africano Rajesh Parshotam recusou esta sexta-feira o pedido de liberdade sob caução e o ex-banqueiro vai ficar detido preventivamente até 10 de janeiro, data em que se inicia o processo de extradição.

O juiz assumiu um tom duro durante a leitura da decisão e considerou insuficiente o pagamento da fiança de 40 000 rands (2.187 euros) proposta pela defesa. O magistrado recusou ainda a medida de prisão domiciliária, uma vez que na África do Sul não há meios para controlar um detido durante 24 horas, e considerou que o arguido mostrou desrespeitar o processo ao fugir de Portugal.  "Se o réu não tem respeito pelo processo legal em Portugal, porque é que teria pelo da África do Sul", referiu. A "África do Sul não pode dar-se ao luxo de ser um santuário para fugitivos", acrescentou ainda Rajesh Parshotam. 

O juiz considerou ainda os argumentos da defesa de João Rendeiro inválidos, incluindo o de que a figura jurídica da prisão preventiva não existe na África do Sul e de que o ex-banqueiro não teria um julgamento justo em Portugal.

Ainda esta semana, numa das sessões no tribunal, Rendeiro afirmou que não tenciona regressar a Portugal "Não vou voltar". A afirmação não é uma surpresa, sendo que já o tinha afirmado em entrevista à CNN, quando deixou claro que só regressaria ao país "ilibado ou com indulto do Presidente [da República]". Dado a que Marcelo já respondeu


O fundador e ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, à saida do Campus de Justiça onde decorre o julgamento do processo relacionado com o veículo criado no universo BPP para investir especificamente em ações do Banco Comercial Português (BCP), onde é acusado pelo Ministério Público de burla qualificado, em Lisboa, 12 de fevereiro de 2014. O julgamento de três ex-gestores do BPP, João Rendeiro, Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, tem início esta manhã enquanto decorre a investigação do processo principal do caso BPP. MÁRIO CRUZ / LUSA
Crimes & escapadelas
Confirma-se a velha maldição: nenhum banqueiro é preso em Portugal. Os lesados, lesados ficam. Na arte de fugir, Rendeiro não está só.

O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) regressou esta sexta-feira ao tribunal de Durban, seis dias depois de ter sido preso na África do Sul. Na sala B do Tribunal de Verulam, o juiz anunciou a decisão depois da defesa de Rendeiro ter pedido a liberdade sob o pagamento de uma caução de 2.187 euros. 

ex-banqueiro foi preso a 11 de dezembro na África do Sul, num hotel cinco estrelas na província de KwaZulu-Natal, em Durban. As autoridades portuguesas vão pedir a sua extradição para Portugal, onde foi condenado a um total de 19 anos de prisão efetiva.  


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas