Escolha as suas informações

João Ferreira é candidato do PCP a Belém
Portugal 12.09.2020

João Ferreira é candidato do PCP a Belém

João Ferreira é candidato do PCP a Belém

Foto: LUSA
Portugal 12.09.2020

João Ferreira é candidato do PCP a Belém

Lusa
Lusa
"A nossa candidatura é para ir até ao fim", afirmou Jerónimo de Sousa no final de uma reunião do comité central do partido.

O eurodeputado João Ferreira é o candidato do PCP nas eleições presidenciais de 2021, anunciou este sábado, 12 de setembro, o secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa.

"A nossa candidatura é para ir até ao fim", afirmou Jerónimo de Sousa no final de uma reunião do comité central do partido, recusando a ideia de que esta é "uma candidatura para desistir" para dar mais hipóteses a um concorrente à esquerda.


Ana Gomes confirma candidatura à Presidência da República
O anúncio oficial da candidatura será feito esta quinta-feira, 10 de setembro, às 16h, na Casa da Imprensa, em Lisboa.

Sem dizer o que aconteceu na reunião, o líder do PCP afirmou que o documento sobre as eleições e o candidato às presenciais foi aprovado "por unanimidade".

João Ferreira, biólogo, 41 anos, é eurodeputado do PCP e vereador da CDU na Câmara de Lisboa.

A seis meses do fim do mandato do atual Presidente da República, são já oito os pré-candidatos ao lugar de Marcelo Rebelo de Sousa.

São eles o deputado André Ventura (Chega), o advogado e fundador da Iniciativa Liberal Tiago Mayan Gonçalves, o líder do Partido Democrático Republicano (PDR), Bruno Fialho, a eurodeputada e dirigente do BE Marisa Matias, a ex-deputada ao Parlamento Europeu e dirigente do PS Ana Gomes, Vitorino Silva (mais conhecido por Tino de Rans), o ex-militante do CDS Orlando Cruz e, a partir de hoje, João Ferreira, do PCP.

 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

João Ferreira candidata-se contra a cegueira à boleia da pandemia
Os comunistas apresentaram a sua candidatura na colectividade Voz do Operário, no salão que está encimado pelas velhas palavras do movimento operário: "Trabalhadores Uni-vos", mas com a intenção de combaterem o medo e a perda de direitos sociais que tem acompanhado a covid-19.