Escolha as suas informações

Incêndios. Metade dos fogos registados até 15 de julho com origem em queimadas e queimas
Portugal 3 min. 26.07.2019 Do nosso arquivo online

Incêndios. Metade dos fogos registados até 15 de julho com origem em queimadas e queimas

Mação, Portugal

Incêndios. Metade dos fogos registados até 15 de julho com origem em queimadas e queimas

Mação, Portugal
Foto: AFP
Portugal 3 min. 26.07.2019 Do nosso arquivo online

Incêndios. Metade dos fogos registados até 15 de julho com origem em queimadas e queimas

No relatório provisório de incêndios rurais não estão incluídos os fogos dos últimos dias, nomeadamente os que atingiram os concelhos de Vila de Rei e Mação.

Cerca de metade dos incêndios florestais que deflagraram até 15 de julho e investigados tiveram origem em queimadas e queimas, revelou esta sexta-feira o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O segundo relatório provisório de incêndios rurais do ICNF deste ano, que compreende o período de 1 de janeiro e 15 de julho, indica que, até essa data, foram investigados 70% do número total de incêndios e responsáveis por 89% da área total ardida. O ICNF precisa que a investigação permitiu atribuir uma causa a 69% dos incêndios e responsáveis por 77% da área ardida até 15 de julho.


Governo distribuiu golas antifumo que são inflamáveis
As golas e coletes refletores também, de material inflamável, foram dados para as populações utilizarem em caso de incêndio.

O mesmo documento realça que as causas mais frequentes são as queimadas de sobrantes florestais ou agrícolas (25%) e incendiarismo – imputáveis (19%). “Conjuntamente, as várias tipologias de queimadas e queimas representam 51% das causas apuradas”, precisa aquele organismo.

No relatório provisório de incêndios rurais não estão incluídos os fogos dos últimos dias, nomeadamente os que atingiram os concelhos de Vila de Rei e Mação.

Este relatório indica que, entre 01 de janeiro e 15 de julho, registaram-se 5.570 incêndios rurais que resultaram em 10.178 hectares (ha) de área ardida, entre povoamentos (4205 ha), matos (4068 ha) e agricultura (1905 ha).

Entretanto, o ICNF publica diariamente, na sua página da Internet, dados provisórios obtidos com base no Sistema de Gestão de Informação de Incêndios Florestais e que não contempla comparações com anos anteriores.

Segundo esses dados, até hoje ocorreram 6.231 incêndios florestais, que consumiram 21.332 hectares de floresta, 56% dos quais são respeitantes a área ardida em povoamentos florestais, 31% em matos e 13% em terrenos agrícolas.


Mação, Portugal
Apoio a agricultores afetados pelo fogo de sábado será semelhante ao de Pedrógão Grande
"Serão apoiados todos os prejuízos agrícolas: tratores, máquinas, equipamentos, culturas permanentes como vinhas, olivais ou pomares, animais, estábulos e armazéns", disse o ministro da Agricultura.

A partir dos dados disponíveis, concluiu-se que entre 15 de julho e hoje arderam 11.154 hectares e deflagraram mais 661 incêndios.

O relatório do ICNF destaca que, até 15 de julho, registaram-se menos 30% de incêndios rurais e menos 53% de área ardida relativamente à média anual dos últimos dez anos.

Segundo o mesmo documento, o ano de 2019 apresenta, até ao dia 15 de julho, “o terceiro valor mais reduzido em número de incêndios e o quinto valor mais reduzido de área ardida, desde 2009”.

O ICNF indica que o maior número de incêndios, até 15 de julho, ocorreu nos distritos de Porto (895), Braga (474) e Lisboa (431), ressalvando que, qualquer um dos casos, são maioritariamente de reduzida dimensão, não ultrapassando um hectare de área ardida.

Por sua vez, o distrito mais afetado, no que concerne à área ardida, foi Beja com 1.832 hectares, cerca de 18% da área total ardida até à data, seguido de Braga com 1.260 hectares (12% do total) e de Vila Real com 1.120 hectares (11% do total).


Adriano Dias Silva, 69 anos, no seu jardim queimado em Mação
Mais de 300 agricultores foram afetados pelos incêndios em Mação, Vila de Rei e Sertã
Foram entregues seis a sete toneladas de ração para os animais e espera-se que as doações possam chegar às 18 ou 20 toneladas na próxima semana, segundo o secretário-geral da Associação dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais (IACA).

Até 15 de julho, o mês de março foi aquele que apresentou o maior número de incêndios rurais, com um total de 1263, o que corresponde a 23% do número total registado no ano, sendo também aquele com maior área ardida, com 3.973 hectares (39% do total de área ardida).

O relatório do ICNF inclui este ano pela primeira vez uma análise à severidade meteorológica do incêndio, ou seja, distribuição dos fogos de acordo com o local e o dia, tendo em conta as temperaturas elevadas, vento forte, ausência de precipitação e humidade relativa baixa.

O ICNF conclui que o valor da área ardida real corresponde a 63% da “área ardida ponderada”, significando que “a área ardida no ano de 2019 é consideravelmente inferior à área ardida expectável tendo em conta a severidade meteorológica verificada”.

Lusa


Notícias relacionadas

Portugal. Mais de 24 mil hectares já arderam este ano
Mais de 24.000 hectares arderam nos primeiros sete meses do ano, período em que se registaram 5.294 incêndios rurais, valores inferiores à média anual na última década, segundo o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).
Arderam mais de 23.000 hectares este ano
Segundo estes dados provisórios, que incluem informação recolhida até hoje e foram obtidos com base no Sistema de Gestão de Informação de Incêndios Florestais (SGIF), arderam 23.913 hectares de espaços rurais, num total de 6.491 ocorrências, durante os primeiros sete meses do ano.