Escolha as suas informações

Incêndios em Portugal. Forças Armadas vão fornecer refeições em Vila de Rei
Portugal 2 min. 21.07.2019 Do nosso arquivo online

Incêndios em Portugal. Forças Armadas vão fornecer refeições em Vila de Rei

Incêndios em Portugal. Forças Armadas vão fornecer refeições em Vila de Rei

Portugal 2 min. 21.07.2019 Do nosso arquivo online

Incêndios em Portugal. Forças Armadas vão fornecer refeições em Vila de Rei

Os alimentos enviados vão “permitir assegurar a refeição, já a partir do almoço de hoje, a pelo menos 600 pessoas”.

As Forças Armadas reforçaram esta manhã o apoio à Proteção Civil no combate aos incêndios, tendo deslocado para Vila de Rei uma cozinha de campanha do Exército e alimentos para assegurar refeições a pelo menos 600 pessoas.

“Este apoio surge na sequência de um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil” devido aos incêndios que lavram desde a tarde de sábado no distrito de Castelo Branco, refere em comunicado o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Segundo o EMGFA, os géneros alimentares enviados vão “permitir assegurar a refeição, já a partir do almoço de hoje, a pelo menos 600 pessoas”.

No âmbito do apoio à Proteção Civil, as Forças Armadas já tinham enviado no sábado para Vila de Rei quatro máquinas de rasto, três do Exército com 15 militares, e uma da Força Aérea com mais cinco militares.

Segundo o comunicado, estes meios estão a apoiar as operações para abertura de caminhos que facilitem o trabalho dos operacionais que combatem o incêndio nesta localidade.

O incêndio de Vila de Rei (Castelo Branco), que durante a noite passou também a afetar o concelho de Mação (Santarém), "tem cerca de 60% da sua área dominada", segundo disse esta manhã o Comandante do Agrupamento Centro Sul da Proteção Civil, Belo Morais.

A combater o fogo, com cabeça de incêndio em Mação, estão mais de 700 operacionais, com reforços que chegaram durante a noite e início da manhã, apoiados desde as 08:30 por oito meios aéreos, informou.

Segundo Belo Costa, o incêndio que começou em Vila de Rei andou cerca de 25 quilómetros, desde a sua origem até à frente mais distante, não tendo uma "largura muito significativa".

Os dois incêndios que lavravam no concelho da Sertã desde sábado foram dominados durante a noite, mantendo-se os operacionais no terreno para garantir que não há reativações durante o dia, explicou.

Durante a noite, foi necessário deslocar algumas pessoas para fora das suas áreas de habitação, mas já regressaram às casas, acrescentou.

Segundo a informação disponível do 'site' a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), às 10:15 de hoje as chamas que lavram nos concelhos da Sertã e em Vila de Rei estavam a ser combatidas por 1.183 homens, apoiados por 357 meios terrestres e 13 meios aéreos.

Os três incêndios no distrito de Castelo Branco provocaram sete feridos ligeiros e um grave, que transportado para a Unidade de Queimados do Hospital de São José, em Lisboa.

Lusa


Notícias relacionadas

O incêndio que deflagrou ontem, segunda-feira, no concelho do Fundão provocou queimaduras em duas pessoas, que estão ainda em avaliação, e ferimentos ligeiros numa bombeira, disse à Lusa fonte da Proteção Civil. Também quatro bombeiros ficaram feridos, na Serra da Gardunha.
Bombeiros durante o combate a um incêndio em Castelo, Mação, 26 de julho de 2017. Estão envolvidos no combate ao incêndio 1126 bombeiros, 358 viaturas e 10 meios aéreos. NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA