Escolha as suas informações

Historiador Victor Pereira: Emigrantes portugueses foram os “substitutos da queda do Império”
Portugal 3 min. 23.02.2015 Do nosso arquivo online

Historiador Victor Pereira: Emigrantes portugueses foram os “substitutos da queda do Império”

O historiador Victor Pereira

Historiador Victor Pereira: Emigrantes portugueses foram os “substitutos da queda do Império”

O historiador Victor Pereira
arquivos privados
Portugal 3 min. 23.02.2015 Do nosso arquivo online

Historiador Victor Pereira: Emigrantes portugueses foram os “substitutos da queda do Império”

Os emigrantes portugueses foram os "substitutos da queda do Império", disse à Lusa Victor Pereira, professor de história contemporânea na Universidade de Pau, sul de França, num debate sobre os preconceitos associados a Portugal e à emigração, em Paris.

Os emigrantes portugueses foram os "substitutos da queda do Império", disse à Lusa Victor Pereira, professor de história contemporânea na Universidade de Pau, sul de França, num debate sobre os preconceitos associados a Portugal e à emigração, em Paris.

"Esse discurso foi construído pelo Estado português mas também é reapropriado por muitos emigrantes. Depois da perda do Império - e daquela imagem do Minho a Timor, de Portugal com uma vocação universal - os portugueses no estrangeiro foram substitutos da queda do império. Eles mostraram que Portugal não era um país pequeno, que havia portugueses em tudo o que era mundo, da China até à França, passando pelos Estados Unidos e pelo Brasil", continuou o também autor de "A Ditadura de Salazar e a Emigração".

O debate sobre os preconceitos associados a Portugal e à emigração, que teve lugar no café cultural Lusofolie's, em Paris, teve como mote a apresentação do livro "Este país não existe. Textos contra ideias feitas", da colecção do Le Monde Diplomatique e da Deriva Editores, "uma compilação de vários textos publicados nos últimos anos na edição portuguesa de Le Monde Diplomatique" em que "os autores procuram desconstruir os estereótipos" ligados à imagem de Portugal, explicou Victor Pereira.

No seu texto, "Portugalidade para exportação: emigração e comunidades portuguesas", Victor Pereira falou sobre "o discurso hegemónico sobre a emigração portuguesa desde os anos 70" que tende a "falar dos portugueses no estrangeiro - os tais cinco milhões - como uma comunidade", esquecendo que "alguns nem sequer querem regressar a Portugal".

É o caso de Baptista de Matos, que trabalhou 30 anos no metro de Paris e que cedeu vários documentos sobre a emigração portuguesa ao Museu da História da Imigração, em Paris.

"Com 80 anos, não consigo regressar a Portugal. A França deu-me uma coisa fantástica: a liberdade de expressão, de trabalhar, de amar. Aprendi a ser solidário, aprendi a ser português como Camões. Cinquenta anos depois, muitos não querem regressar a Portugal porque fomos muito bem tratados em França", declarou Baptista de Matos que, em 1963, trocou a Batalha, em Portugal, por Champigny-sur-Marne, nos arredores de Paris.

Ex-conselheiro das comunidades portuguesas e presidente de honra da Associação de Fontenay-sous-Bois, perto de Paris, Baptista de Matos recordou que "em Champigny-sur-Marne, havia 15 mil portugueses nos bairros de lata" e muitos "não sabiam assinar o próprio nome" porque "foi a ditadura de Salazar que lhes fez isso".

O moderador do debate Daniel Ribeiro, correspondente em Paris do jornal português Expresso e a viver em França há 35 anos, acrescentou que "a emigração é qualquer coisa crónica, uma marca essencial de Portugal desde há muitos anos".

O perfil dos emigrantes tem mudado, de acordo com João Heitor, o director do Lusofolie's, que disse que desde que abriu o café cultural vê "toda uma nova emigração, de jovens talentos, músicos, artistas, jornalistas, cientistas que procuram um porto de abrigo".


Notícias relacionadas

“O Luxemburgo sofreu um processo de lusificação”, diz investigadora
A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. A viver entre Lisboa e o Grão-Ducado, a geógrafa, de 35 anos, é autora de vários estudos sobre os portugueses, incluindo uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre os dois países. Diz que o Luxemburgo se “lusificou” e que a emigração portuguesa levou à criação de um “espaço transnacional” que podia servir de modelo para uma Europa sem fronteiras.