Escolha as suas informações

Habitação. Rendas em Lisboa diminuem pela primeira vez, em três anos
Portugal 2 min. 15.01.2020

Habitação. Rendas em Lisboa diminuem pela primeira vez, em três anos

Habitação. Rendas em Lisboa diminuem pela primeira vez, em três anos

Portugal 2 min. 15.01.2020

Habitação. Rendas em Lisboa diminuem pela primeira vez, em três anos

Os preços do arrendamento podem estar a caminhar para uma estabilização na capital. E a nível nacional. Só no Porto, as rendas continuam a subir.

Desde o terceiro trimestre de 2016 que as rendas residenciais em Lisboa cresceram sem parar. O aumento foi tal que o custo do arrendamento das casas na capital de Portugal chegou ao terceiro trimestre de 2019, 44% mais elevado do que em 2010, e 78% mais alto do que no período da crise do mercado imobiliário, em 2013, noticia o jornal Público.

Contudo, no terceiro trimestre de 2019 as rendas desceram, pela primeira vez em três anos, avança este diário. Isso mesmo revelou o Índice de Rendas Residenciais (IRR) da Confidencial Imobiliário, que apresentou uma queda de 1,4% em Lisboa.

Também a nível nacional o preço do arrendamento desceu, mas muito pouco, 0,2%. Já no Porto a curva é contrária, com as rendas a aumentarem 2,5%.


Habitação. Se no Luxemburgo a situação é assustadora, em Lisboa é de loucos
A especulação imobiliária atinge de forma muito particular a capital do Luxemburgo e Lisboa, obrigando os residentes a malabarismos para pagar a casa. Mesmo assim, a situação é mais "dramática" na capital portuguesa.

Tendência para estabilizar

A descida do preço dos arrendamentos na capital significa que o mercado está a caminhar para a estabilização, considera Ricardo Guimarães, director da empresa de estatísticas Confidencial Imobiliário, citado pelo Jornal Público. Contudo, este responsável adverte que ainda é prematuro afirmar se esta queda irá ser tendência ou se foi um caso isolado e as rendas continuarão a subir. Noutras ocasiões, o mercado das rendas “já mostrou que volta a ganhar ritmos de subida”, lembra este diretor.

Ao caminhar para um equilíbrio que combate especulação imobiliária, o mercado de Lisboa perde a liderança da valorização. “Lisboa liderou o ciclo de valorização e agora lidera o ciclo de estabilização de mercado”, explica Ricardo Guimarães, citado pelo Público. O mercado  da capital mantém-se o mais valorizado mas já não é o que mais valoriza. Agora a maior valorização encontra-se nos mercados das segundas cidades e nas periferias de Lisboa e Porto.

Descida nacional e subida no Porto

A descida das rendas a nível nacional no terceiro trimestre de 2019 pode marcar também uma inversão da tendência. É a primeira vez em dois anos que a variação homóloga das rendas no país fica abaixo dos 10%, indicando que também o país caminha para um abrandamento deste mercado.

Contrariamente ao país e à capital, no Porto as rendas continuam a subir, tendo crescido 2,5% no terceiro trimestre de 2019. Mesmo assim o crescimento tem sido mais suave, desde o final de 2018, indica a notícia do Público. No entanto, há cerca de um ano, o mercado da Invicta registou um valor máximo de subida, quando as rendas aumentaram 23,1%, o que nunca aconteceu em Lisboa.


Notícias relacionadas